Durante a situação de pandemia da Covid-19, o Programa Criança Feliz no Pará não parou. A Secretaria de Estado de Assistência Social, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster) tem orientado os municípios paraenses quanto à execução do programa em suas localidades, com o objetivo de garantir a proteção e a saúde dos profissionais e das famílias atendidas pelo programa.

O atendimento remoto foi priorizado por meio do uso dos canais de comunicação, como o celular. “Os municípios foram orientados pela Seaster para paralisarem as ações presenciais, uma vez que a secretaria publicou uma portaria onde recomenda a interrupção das visitas domiciliares para proteger as famílias de possível contágio”, explica o coordenador estadual do Programa Criança Feliz, Antonio Sena.

Dessa forma, a equipe técnica da Seaster repassa orientações diariamente para os gestores e supervisores municipais baseadas nos direcionamentos do Ministério da Cidadania. Além disso, a coordenação estadual do programa está entregando materiais educativos que foram desenvolvidos pela Secretaria Nacional de Promoção e Desenvolvimento Humano.

“Iniciamos entregas de cards, áudios, vídeos e panfletos que visam a promoção do desenvolvimento de crianças na primeira infância nestes tempos de pandemia, com propostas e recomendações para a formação das equipes municipais e elaboração de materiais para subsidiar as atividades junto às famílias acompanhadas”, conta o coordenador.

Dicas de como lidar com a ansiedade das crianças em tempos de pandemia é um dos temas que estão sendo abordados pelos materiais. “A saúde mental das famílias, em especial das crianças, impacta diretamente no desenvolvimento infantil. O momento atual exige uma atenção maior às crianças diante da mudança da rotina das famílias e, neste sentido, os materiais irão ajudar as equipes e as famílias para lidar com possíveis alterações no humor e no comportamento”, pontua.

Programa – O Criança Feliz é maior programa do mundo de visitação domiciliar para a primeira infância e se propõe como uma importante ferramenta para que famílias com crianças entre zero e seis anos ofereçam a seus pequenos meios para promover seu desenvolvimento integral.