Programação especial do Cinema Olympia em janeiro de 2020

A programação de janeiro trará longas e curtas de comédia, documentários e drama e uma programação especial em homenagem ao aniversário de Belém.

O cinema Olympia abre as portas já no segundo dia do ano para receber o público paraense. O mês de Janeiro conta com uma vasta programação de curtas e longas de comédia, documentários e drama, além de uma programação especial em homenagem ao aniversário de Belém.

No período de 2 a 8 de janeiro, acontecerá a Mostra de Ficção Científica e os filmes que serão exibidos são:

  • 2 de janeiro: “No Mundo de 2020”, que retrata questões climáticas e a escassez de alimentos no planeta Terra
  • 3 de janeiro: “Fuga do Século 23”
  • 4 de janeiro: “Eles Vivem”
  • 5 de janeiro: “Planeta dos Vampiros”
  • 7 de janeiro: “Scanners”
  • 8 de janeiro: “Os Malditos”

A partir do dia 9 de janeiro, será exibido a minissérie paraense “Pretas” que será apresentado em episódios até o dia 11.

Dia 12 de janeiro, dia em que é comemorado o aniversário de Belém, estará em cartaz o filme “Um Dia Qualquer”. Uma crônica da cidade de Belém com histórias de uma jovem estudante gazeteira e seu irmão, uma prostituta motorizada, um romeiro no Círio de Nazaré e uma sessão de Macumba. O longa se passa e meio às historietas e imagens da cultura local, paisagens naturais e monumentos arquitetônicos.

Dia 14 o projeto “Cinema e Música” exibirá a comédia “O homem das novidades”, com direção de Edward Sedgwick e Buster Keaton. No filme o fotógrafo Buster toma a precipitada decisão de largar sua profissão para se tornar cinegrafista em um canal de notícias.

A motivação era ficar mais perto de Sally (Marceline Day), uma bela secretária da tal companhia de notícias por quem ele está se apaixonando. No entanto, a função nova não é nada fácil, e os primeiros dias de Buster como cinegrafista são desastrosos.

O projeto “Curta Olympia” estará com o filme “Mario” em cartaz do dia 21 a 24 de janeiro. Esse é um filme universitário experimental em curta-metragem que recebeu o prêmio do público de Melhor Filme Experimental no 5º Toró – Festival Audiovisual Universitário de Belém, em 2019.

O curta aborda a relação de Mário Antônio, portador de síndrome de Down e irmão do diretor, com a pintura. Ainda no período de produção, Mário veio a falecer bruscamente fazendo com que todo o projeto fosse redimensionado para cinema de arquivo, objetivando extrair força poética de um tema delicado, que é a morte.

Outra atração do Olympia no mês de janeiro será a Mostra Cineklap Planet – O Corpo no Mundo, com filmes dinamarqueses.

Na abertura da Mostra, dia 15, o longa “Darling” será exibido. No filme, a famosa bailarina Darling volta a Copenhague, depois de passar anos no exterior, para protagonizar “Giselle”, peça clássica que será coreografada por seu marido Frans.

Durante os ensaios, porém, Darling se fere gravemente e vê seu futuro desmoronar: ela não poderá voltar a dançar novamente. Darling não quer desistir e decide treinar sua substituta, a bailarina Polly. A jovem se torna o centro das atenções de Frans.

No dia 16 é a vez de “Eu sou William” entrar em cartaz. O filme é uma comédia feita a partir de romance infantil do autor dinamarquês Kim Fupz Aakeson. O filme é sobre William, que mora com tio Nils.

Seu pai está morto e sua mãe é mentalmente instável. Nils se aposentou cedo e passa o dia comprando e vendendo coisas a um preço favorável. Nils deve dinheiro a alguns bandidos e eles querem que sua dívida seja paga.

No dia 17, o filme será “Time furação”, drama experimental adolescente que celebra as garotas que ousam ser barulhentas, incômodas, vulgares e vulneráveis, misturando técnicas de documentário e uma paleta de cores inspirada nos animes japoneses, o que produz uma fusão única de elementos realistas e fantásticos. É o primeiro longa de Annika Berg. A produção participou da semana dos críticos no Festival de Veneza.

No dia 18, o documentário “Sumé – O som da revolução” estará em cartaz. O filme é sobre a primeira banda de rock a gravar em groenlandês. O álbum de estreia, lançado em 1973, alcançou enorme popularidade no país, com suas letras políticas que introduziram no idioma palavras como “revolução” e “opressão” e protestavam contra a colonização dinamarquesa.

O filme mostra o reencontro dos membros quatro décadas depois e a importância da banda no renascimento da cultura e da identidade local de forte ancestralidade indígena em um processo que culminou na formação de um parlamento autônomo em 1979.

A Mostra segue até o dia 30 com os filmes:

  • 19 de janeiro: “Irmão do Inverno”
  • 21 de janeiro: “Você Desapareceu”
  • 22 de janeiro: “Quando o Dia Chegar”
  • 23 de janeiro: “Ande Comigo”
  • 24 de janeiro: “Segunda Chance”
  • 25 de janeiro: “Guerreiro da Escuridão”
  • 26 de janeiro: “Culpa”
  • 25 de janeiro: “Além das Águas”
  • 29 de janeiro: “Plano Quase Perfeito”
  • 30 de janeiro: “A Comunidade”

Funcionamento

Terça a sexta-feira: 18h30

Sábado, domingo e feriado: 16h30

A entrada é gratuita.