Pará+

Prefeitura de Belém investe na formação profissional dos moradores do Jurunas

Preparação de Geleia por Eliza Lisboa

A manicure e crocheteira Eliza Lisboa, de 37 anos, ficou empolgada ao vender, em um único dia, mais de 60 potes de geleia. “Nunca imaginei vender assim, se a gente tiver a oportunidade de vender para as pessoas de fora. Elas compram os produtos para dar de lembrança, porque nossos sabores são únicos”, comenta a fabricante de cocadas e geleias.

Ela faz parte de um grupo de 38 pessoas que receberam qualificação profissional com os cursos de processamento de frutas e produção e doces e panificação artesanal, realizados pela profissional pela Prefeitura de Belém para moradores do bairro do Jurunas, em outubro de 2021 e que hoje colhem os frutos.

Os cursos, realizados a partir de uma ação conjunta do Programa de Saneamento da Bacia da Estrada Nova (Promaben) e do Banco do Povo de Belém, por meio do programa Donas de Si, teve como público alvo moradores do Jurunas, que fica na área de influência das obras do Promaben.

Receber o auxílio moradia e ser atendidos pelo programa Bora Belém foram alguns dos critérios para a pessoa fazer os cursos, que tiveram duração de 40 horas-aula.

A perspectiva de seguir um novo rumo agradou Eliza. “Ser manicure tem data de validade, porque logo as costas não vão mais aguentar. Viver com a venda de doces dá uma esperança na gente”, celebra Eliza, que vem incrementando a renda com a comercialização doces.

“No início, eu tive um pouco de medo, porque não sou muito de cozinha, mas a professora deu as medidas e ensinou as regras de segurança, então ficou muito simples. Só que a venda ainda estava devagar, mas com a realização do evento e que eu pude participar expondo meus produtos me deu um novo gás”, conta.

Maria Oneide Barbosa, de 43 anos, foi outra aluna que viu nos cursos a possibilidade de diversificar a venda de salgados pedalando pelas ruas de Belém, que começou quando precisou sustentar a casa sozinha. À época, com o marido em tratamento do coração e mãe de dois filhos pequenos necessitavam de cuidados, ela já não poderia se ausentar por tantas horas de casa.

“Agora, eu não dependo mais só dos salgados. Se eu adoeço, como na semana passada, a minha venda de licores e geleia continua. Os clientes pedem pela internet e pegam lá em casa buscar”, comemora a comerciante.

A diversificação dos produtos a ajudou a buscar novos clientes e aos poucos Maria Oneide começa a deixar para trás os dias de incerteza da pandemia. “Hoje, a gente vende licor também nas festas do bairro e com meu marido recuperado, meus filhos ajudando, a gente conseguiu um ponto ao lado do supermercado, temos clientes fixos e já podemos fazer planos para o futuro”, conta entusiasmada.

Qualificação – As duas mulheres fazem parte de um universo de 560 pessoas que receberam os cursos do programa Donas de Si, do Banco do Povo de Belém e apoio da Fundação Papa João XXIII (Funpapa) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar).

O curso teve como objetivo qualificar profissionalmente os moradores que serão remanejados para a realização das obras de saneamento nos bairros do Jurunas, Condor e Cremação, como parte do Projeto Social do Promaben.

A subcoordenadora Social do Programa, Regina Penna, explica que “Dona Oneide tornou a formação no curso em uma oportunidade para aumentar a renda beneficiando sua família. Esse é um resultado muito importante para o Promaben e para o Governo da Nossa Gente, que não só visam obras de infraestrutura, mas as pessoas, principalmente, as mulheres solo, apontadas em nosso diagnóstico como maioria nos bairros de intervenção do programa”.

A coordenadora Adjunta do Promaben, Victória Veras, reforça o papel da Prefeitura de Belém, por meio do Programa, de estar junto à população oferecendo meios para qualificação profissional e de vida digna.

“É uma grande satisfação ver mulheres que participaram do Programa Donas de Si colocarem esse conhecimento em prática, gerando renda e compartilhando experiência. O Programa trabalha em vários eixos sociais para o empoderamento feminino, estimulando o empreendedorismo e a educação financeira. A expectativa é que possamos qualificar e estimular mais mulheres para o trabalho na construção civil e conseguir inseri-las no contexto das nossas obras, promovendo dessa forma a inserção delas no trabalho formal”, ressalta Victória.

Mais cursos – O Promaben tem ainda previsto no seu Projeto Social cursos de eletricista, pedreiro, instalador hidráulico, atendimento ao cliente, economia solidária, empreendedorismo e plano de negócios.

O projeto qualifica homens e mulheres em vários bairros da cidade e tem potencial de empregabilidade e de encaminhar os participantes para o empreendedorismo por meio do empréstimo solidário.

Sair da versão mobile