Pará+

Prefeitura de Belém garante acesso mais seguro aos cemitérios da capital no Dia das Mães

Neste domingo, 8, quando é comemorado o Dia das Mães, os principais cemitérios da capital contaram com a presença de agentes de trânsito e transporte para um esquema especial de fiscalização.

A Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de Belém (Semob) também realizou rondas de fiscalização nos cemitérios de Santa Izabel, no Guamá; no cemitério São Jorge, na Marambaia; na necrópole de Santa Isabel, em Icoaraci; e no Cemitério Parque do Tapanã.

Foi um final de manhã tranquilo na entrada do Cemitério de Santa Izabel no Dia das Mães. Poucos carros na rua e muitos visitantes chegando a pé no local.

“É o primeiro Dia das Mães após o início da pandemia da covid-19, está muito calmo em relação aos anos anteriores em que chegou a ser interditado o acesso de veículos”, avalia o agente de trânsito Guilherme Cabeça.

Ele garantiu a segurança na travessia de pedestres na faixa que dá pra entrada da necrópole, na avenida José  Bonifácio, que ficou com sentido único em direção a São Brás. “A rua, no sentido único facilita a locomoção, principalmente, dos mais idosos”, conta o agente.

Por causa do desvio provisório na rua dos Caripunas, na esquina com a travessa Castelo Branco, as linhas de ônibus estavam sendo desviadas para a avenida José Bonifácio via rua Silva Castro. Uma equipe de agentes de transporte foi alocada na Caripunas com o intuito de fiscalizar o cumprimento do desvio pelos ônibus.

Já no cemitério São Jorge, na Marambaia, o tráfego de veículos foi intenso durante toda a manhã. O fluxo maior na região é ocasionado pela feira livre do outro lado da rua.

“Neste Dia das Mães juntou o fluxo do comércio, dos ônibus e dos visitantes do cemitério. Por isso, o foco das ações deste dia foi na faixa de pedestre”, explica o agente de trânsito Hamilton Rocha.

As irmãs Maria de José Bastos, Maria Nazaré e Maria de Belém Pinheiro aprovaram a ação de fiscalização da Semob. Elas foram prestar as homenagens para a mãe e tiveram uma travessia um pouco mais segura ao cemitério.

“Nossa irmã tem dificuldade de locomoção, atravessar a rua da Mata pra chegar ao cemitério seria um sufoco sem o agente. Fez a diferença”, afirma a aposentada Maria de José Bastos.

Sair da versão mobile