“Pássaro”

Nesta quarta-feira, 6, a partir das 20h, o teatro Margarida Schivasappa recebe o espetáculo “Pássaros”, do grupo Dirigível Coletivo, com a direção de Rodolfo Sanchez. O espetáculo foi contemplado no edital Pauta Livre do Programa Seiva da Fundação Cultural do Pará. FOTO: DIVULGAÇÃO DATA: 06.06.2018 BELÉM - PARÁ

O espetáculo “Pássaros”, do grupo Dirigível Coletivo, com a direção de Rodolfo Sanchez, se apresentou recentemente no teatro Margarida Schivasappa. O espetáculo foi contemplado no edital Pauta Livre do Programa Seiva da Fundação Cultural do Pará.

Na homenagem a essa cultura tão rica e pouco valorizada, temos personagens da nobreza que nos levam a sonhar aos moldes dos grandes clássicos. A princesa e o príncipe, que estão apaixonados, mas não conseguem viver esse amor por conta da marquesa, uma feiticeira que pretende não deixar esses dois serem felizes por toda a inveja que sente desse amor.

A vilã tem como fiel ajudante um caçador, que apaixonado por ela faz tudo o que ordena, até mesmo matar todos os pássaros da região, que com seu canto ajudam a curar a doente princesa. Entre os quadros da trama temos ainda a matutagem, trazendo a alegria e o riso para essa história tão intensa de amor e vingança.

“Pássaro” é uma experimentação entre o gênero “melodrama fantasia” e o formato “cordão de meia lua”, estruturas típicas deste teatro popular, baseado nas intrigantes histórias de amor, vingança, caçadas, pajelanças e fortes revelações da tradicional brincadeira junina do estado.

O grupo

O Dirigível Coletivo desenvolve trabalhos cênicos desde 2011 e neste mês de junho completa sete anos de atuação artística e política na capital paraense. Em 2015, fez homenagem aos grupos de pássaros juninos, teatro popular paraense, levando às ruas e palcos o espetáculo “Pássaro”, sob direção de Rodolpho Sanchez, brincante do Pássaro Tucano, da Guardiã Iracema Oliveira.

Além de brincante, Rodolpho desenvolve uma pesquisa junto à tradição popular dos pássaros juninos de Belém.“O espetáculo é fruto de pesquisas sobre o tradicional teatro popular dos Pássaros Juninos, com referências literárias, audiovisuais, mas principalmente com quem faz essa manifestação na cidade, como as guardiãs Iracema Oliveira, do Grupo Junino Tucano, e Laurene Ataíde, do Cordão de Pássaro Colibri de Outeiro. No espetáculo, os atores cantam, tocam e contam uma história de amor e de resistência da identidade amazônida”, declara o diretor Rodolpho Sanchez.

Texto *Andreza Gomes

Fotos Divulgação