Pará+

Palacete Bolonha recebe mais de 30 crianças para visitação noturna

Engana-se quem acredita que educação patrimonial e amor pela cultura da cidade é coisa de adulto. Nesta terça-feira, 26 de julho, mais de 30 crianças participaram de uma visitação guiada ao Palacete Bolonha, no período da noite. As crianças foram recebidas pelo presidente da Fundação Cultural de Belém, Michel Pinho, e pela educadora patrimonial do Museu Casa Francisco Bolonha, Raquel Ferreira.

Fatos e curiosidades – Sempre atento aos detalhes da explicação e bastante participativo, o público conheceu fatos e curiosidades sobre  o cotidiano das crianças que viveram em Belém no início do século XX, época em que o Palacete Bolonha foi construído. Foram momentos marcantes que encataram as crianças e emocionaram os pais.

“A visita me surpreendeu muito, achei magnífico! Eu acho que todo mundo em Belém deveria vir até aqui e acompanhar essa história. Essa casa é fenomenal, com certeza voltarei com a minha filha de 16 anos. Fiquei encantada com o acolhimento das pessoas, meu filho foi muito bem recebido e ficou maravilhado com a história do palacete”, contou Fabíola Santana, bastante empolgada com a visita. Ela acompanhou o filho Benício, de 9 anos.

História de Belém – E também teve criança que aproveitou para aperfeiçoar o conhecimento em história de Belém para arrasar na escola, foi o que comentou Natascha Damasceno. Ela e o marido trouxeram os dois filhos, Thiago e Bernardo, para a visitação noturna. “O Thiago está estudando em história a belle èpoque e o ciclo da borracha, então essa visita irá construir não apenas uma memória afetiva com a própria cidade, mas também começar a amar e respeitar a cidade e a história dela, além de ajudar bastante na escola”, afirma Natascha.

Para Thiago Damasceno, de 11 anos, é muito importante conhecer os espaços da cidade. “Achei muito interessante e importante conhecer a casa que o Francisco Bolonha construiu e morou. Foi bem legal visitar um museu de noite. Gostei bastante”, comentou o estudante.

Cultura e arte – Para o presidente da Fumbel, Michel Pinho, as crianças devem criar ligação com a história da cidade. “O mais importante de espaços museológicos serem ocupados por crianças, é fazer com que elas criem um elo com a história do município e que possam, ao longo do tempo, enxergar a si mesmas em um espaço recheado de cultura e de arte”.

Sair da versão mobile