Inibidores da Janus quinase mostraram auxiliar na sobrevida e reduzir necessidade de ventilação de pacientes com casos graves ou críticos de Covid-19; nova recomendação é baseada em sete ensaios, envolvendo mais de 4 mil pacientes; agência reforça que plasma convalescente, ivermectina e hidroxicloroquina são contraindicados.

A Organização Mundial de Saúde, OMS, divulgou a recomendação de dois medicamentos no tratamento de pacientes com casos graves ou críticos de Covid-19.

O medicamento baricitinibe, conhecido como inibidor da Janus quinase e usado para tratar artrite reumatoide, em combinação com corticosteroides, mostrou evidências de auxiliar na sobrevida e reduzir a necessidade de ventilação dos pacientes.

Pacientes são tratados contra Covid-19 em hospital em Kramatorsk, Ucrânia.
Pacientes são tratados contra Covid-19 em hospital em Kramatorsk, Ucrânia.

Alternativas

Os especialistas da OMS observam que a substância tem efeitos semelhantes a outros medicamentos para artrite chamados inibidores da interleucina-6.

Assim, a agência afirma que ambas podem ser utilizadas, com a escolha baseada no custo, disponibilidade e experiência clínica. No entanto, não é recomendado usar os dois medicamentos ao mesmo tempo.

A OMS destaca que outros inibidores não são recomendados, já que as evidências não mostraram benefício e sugerem um possível aumento de efeitos colaterais graves.

Na mesma atualização da diretriz, a entidade também faz uma recomendação condicional para o uso do anticorpo monoclonal sotrovimab em pacientes com Covid-19 não grave.

A sugestão é que apenas seja aplicado em pacientes com maior risco de hospitalização, com poucos benefícios entre casos de menor risco.

As recomendações foram baseadas em novas evidências de sete ensaios envolvendo mais de 4 mil pacientes com infecção por Covid-19 não grave, grave e crítica.

A OMS segue contraindicando o uso de plasma convalescente, ivermectina e hidroxicloroquina em pacientes com Covid-19 independente da gravidade da doença.

Com a altamente transmissível variante Ômicron da Covid-19, surgem novas ondas de infecções e o custo humano e econômico da pandemia deve aumentar novamente
Com a altamente transmissível variante Ômicron da Covid-19, surgem novas ondas de infecções e o custo humano e econômico da pandemia deve aumentar novamente.

Estudos

Os resultados fazem parte de uma diretriz desenvolvida pela OMS, com o apoio metodológico da MAGIC Evidence Ecosystem Foundation. O objetivo é  fornecer orientações confiáveis para o gerenciamento da Covid-19 e ajudar os médicos a tomar melhores decisões com seus pacientes.

As diretrizes são úteis em áreas de pesquisa em rápida evolução, como diante da pandemia de coronavírus, porque permitem que os pesquisadores atualizem resumos de evidências previamente examinados e revisados ​​por pares à medida que novas informações se tornam disponíveis.

Para fazer as recomendações, o painel considerou uma combinação de evidências e avaliou benefícios e danos, valores e preferências e viabilidade.