Observatório do Clima disponibiliza dados de emissões de gases de efeito estufa por municípios

O Observatório do Clima, lançou o Sistema de Estimativas de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa (SEEG). A iniciativa divulga dados de emissões e de remoções de gases de efeito estufa no Brasil, por município. Os dados apresentam conclusões e reflexões sobre os caminhos que o País pode seguir no enfrentamento das mudanças climáticas.
 
A plataforma pode ser acessada de forma democrática e transparente pelo portal da SEEG, onde estão disponibilizadas estatísticas e mapas de emissões e remoções de gases. Este levantamento deve ser um ponto de apoio na elaboração de estudos e políticas públicas para os municípios, sendo aliado em ações para reduzir as emissões de gases de efeito estufa.
 
Os dados demonstram que as emissões de gases de efeito estufa no País concentram-se em municípios que contribuem muito pouco para o PIB e onde vivem poucos habitantes.
 
Segundo o especialista em meio ambiente Charles Dayler, o principal impacto causado em relação a emissão desses gases vêm do desmatamento e das queimadas na Amazônia. “Podemos observar que nos últimos anos, quando começamos a ter um descrédito nas medidas de combate ao desmatamento e as queimadas na Amazônia, vimos que nossas emissões explodiram”, afirmou. 


 
Dessa forma, Dayler apontou que ao evitar o desmatamento nessas localidades, o Brasil cumpriria papel fundamental no controle climático, sem que houvesse impacto significativo na economia.
 
O ambientalista destacou a discrepância no âmbito de políticas públicas voltadas para a temática. “Essa questão da existência de políticas públicas para combater as mudanças climáticas ainda é desuniforme no Brasil. Quanto mais descemos o nível, chegando ao nível municipal, isso é mais desuniforme ainda”, disse. 
 
As estimativas de emissões se tornam um guia para que os gestores municipais possam atuar de maneira mais direcionada, diante da ausência de uma lei que trate especificamente de gases de efeito estufa e do aquecimento global.

Pacto Global de Prefeitos pelo Clima e a Energia

O Pacto Global de Prefeitos pelo Clima e a Energia, que conta com a coordenação da Associação Brasileira dos Municípios (AMB), reconhece que os governos locais são os atores fundamentais para que seja cumprida a meta estabelecida pelo Acordo de Paris.
 
O tratado é um compromisso mundial assinado por 195 países no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (CQNUMC), que rege medidas de redução de emissão de gases estufa a partir de 2020. O objetivo de conter o aumento do aquecimento global em 1,5°C, reforçando a capacidade dos países de se desenvolverem em um contexto sustentável.
 
Para o especialista em meio ambiente Charles Dayler, a iniciativa pode tornar o trabalho de combate às mudanças climáticas mais efetivo. “É uma forma de pegar a ponta do processo, que são os prefeitos dos municípios. Eles quem operacionalizam a grande maioria das políticas públicas”, pontuou.