Marido de rainha Elizabeth se aposenta da vida pública; veja gafes dele em décadas de realeza

Prestes a completar 96 anos, o príncipe Philip, conhecido por ser o marido da rainha da Inglaterra, Elizabeth 2ª, anunciou que irá se aposentar da vida pública a partir da segunda metade deste ano.

Por meio de um comunicado divulgado pelo Palácio de Buckingham, ele, que também detém o título de duque de Edimburgo, divulgou a decisão, apoiada pela rainha, de “não participar mais de eventos públicos”.

“Sua Alteza Real, o duque de Edimburgo, decidiu que não comparecerá a compromissos públicos a partir do outono deste ano”, diz o comunicado.

  • Vítima de violência doméstica usa grafite para informar meninas sobre Lei Maria da Penha
  • A fotógrafa americana que registrou o momento de sua própria morte em explosão no Afeganistão

Elizabeth e Philip estão completando 70 anos de casamento neste ano – eles se casaram em 20 de novembro de 1947, quando a jovem ainda não era rainha. Ela assumiu o trono cinco anos depois, em 1952.

Apesar de ser um homem de poucas palavras e aparições, Philip costuma chamar atenção pelas poucas linhas que deixa escapar em eventos dos quais participa ao lado da rainha. Muitas delas já se tornaram gafes públicas – algumas provocaram polêmica, enquanto outras apenas arrancaram risos da população.

Relembre algumas delas:

1966: “Mulheres britânicas não conseguem cozinhar”.

1981: “Todo mundo sempre dizia que nós precisávamos de mais tempo de lazer. Agora estão reclamando que estão desempregados” – durante a recessão dos anos 1980.

1984: “Você é uma mulher, né?” – após receber um presente de uma mulher no Quênia.

1986: “Se vocês ficarem aqui por muito tempo, vão acabar ficando com olhinhos puxados” – para um grupo de estudantes britânicos durante uma visita real à China.

1992: “Ah não, eu posso acabar pegando uma doença terrível” – na Austrália, quando pediram a ele que acariciasse um coala.

1993: “Você não deve estar vivendo aqui por muito tempo, você nem está barrigudo ainda” – para um britânico que conheceu na Hungria.

1994: “A maioria de vocês não é descendente de piratas?” – para um morador rico das Ilhas Cayman.

1995: “Como você mantém os moradores daqui sóbrios o suficiente para passar no teste?” – para um instrutor de direção escocês.

1996: “Se um jogador de críquete, por exemplo, de repente decide ir para a escola e espancar pessoas até a morte com um bastão de críquete – algo que ele poderia facilmente fazer -, você vai proibir os bastões de críquete?” – em resposta a pedidos pela proibição de armas de fogo depois do massacre de Dunblane (Escócia), que deixou 16 crianças e um professor mortos em uma escola primária.

1999: “Surdos? Se você está perto disso, não há dúvidas de que seja surdo” – a um grupo de jovens surdos em Cardiff (País de Gales) que estavam de pé perto de um tambor de aço.

2001: “Você é muito gordo para ser um astronauta” – para Andrew Adams, um garoto de 13 anos que disse ao príncipe que gostaria de ir para o espaço.

2002: “Ainda atirando lanças?” – para um aborígene australiano.

2002: “Você parece uma ‘mulher-bomba'” – disse a uma jovem policial que usava um colete a prova de balas em Lewis (Escócia).

2009: “Bom, você não fez um design muito bom para sua barba, né?” – para o designer Stephen Judge sobre sua fina barba em forma de cavanhaque.

2010: “Você trabalha como stripper?” – para uma cadete da marinha de 24 anos quando ela o contou que também havia trabalhado em uma casa noturna.

2012: “Eu seria preso se abrisse o zíper daquele vestido” – para a funcionária do governo Hannah Jackson, de 25 anos, que estava usando um vestido com um zíper na frente em uma visita a Bromley, na Grande Londres.

  • O japonês que ganha a vida ‘alugando’ sua amizade

2013: “As Filipinas devem estar praticamente vazias, já que todos vocês estão aqui trabalhando na NHS (sistema de saúde público britânico)” – ao conhecer um enfermeiro filipino no Hospital Dunstable.

2013: “(Crianças) vão para a escola porque seus pais as querem longe de casa” – para Malala Yousafzai, sobrevivente de uma tentativa de assassinato pelo Talebã e ativista pelo direito das meninas de irem à escola.

2017: “Você parece morto de fome” – para um aposentado durante uma visita ao albergue Charterhouse, que atende homens idosos.

BBC Brasil – Primeira página