Inovações do Palco Virtual marcam o aniversário do Theatro da Paz

Nesta segunda-feira (15), o Theatro da Paz, o primeiro teatro de ópera da Amazônia e o maior do Estado completa 143 anos. Fundado em 1878, o prédio em estilo neoclássico é um dos mais luxuosos do país, sendo considerado um Teatro-Monumento. Este ano, o Da Paz inova com uma forte presença também no ambiente digital.

Para a celebrar a data, a Secretaria de Estado de Cultura (Secult), em parceria com a Rede Cultura de Comunicação (Funtelpa), vai exibir um programa especial nesta segunda-feira (15), às 18h30, na TV Cultura (canal 2.1). Com 1h de duração, a iniciativa contará com a participação do diretor do Theatro da Paz, Daniel Araújo; do maestro Miguel Campos Neto, regente titular da Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz (OSTP); e do maestro Nelson Neves, regente da Amazônia Jazz Band (AJB). Haverá ainda a execução inédita da Ópera “O Telefone”, de Gian Carlo Menotti, gravada como parte do Festival de Ópera de 2020.

“Este ano, não foi possível abrir as portas para o público na celebração de aniversário do Theatro da Paz, mas a tela da TV Cultura amplia nosso alcance, em mais uma bela parceria, enquanto nosso querido teatro recebe o carinho e o cuidado de uma ampla obra de revitalização que vai deixá-lo ainda mais bonito e modernizado. A programação produzida durante o ano de 2020 é de altíssima qualidade técnica e artística e temos certeza de que o público vai adorar!”, garantiu a secretária de Estado de Cultura, Ursula Vidal.

Ações virtuais – Atendendo às demandas impostas pela pandemia de covid-19, em 2020, o Theatro da Paz precisou fechar as portas no dia 17 de março. O desafio de fazer a arte chegar até o público gerou iniciativas fecundas, como o Palco Virtual, o Tour Virtual pelos espaços da casa de espetáculos, além da criação de sítios especiais na web, como site, canal no YouTube e perfil no Instagram. O 19° Festival de Ópera e o II Curso de Formação em Ópera não apenas mantiveram vivas as ações  de qualificação e produção de conteúdo,  mas fortaleceram também o elo entre os espectadores e essa grande casa da cultura.

O diretor do Theatro da Paz, Daniel Araújo, destacou o desafio de adaptar as atividades durante a pandemia. “Foram meses muito desafiadores até aqui, mas estamos felizes com os excelentes resultados alcançados no processo de nos reinventarmos, quando criamos uma programação intensa de apresentações virtuais; uma escola virtual com 80 alunos bolsistas, em um momento de dificuldade para toda a classe artística; o tour virtual; o Festival de Ópera, mantido vivo e ativo, apesar da pandemia; e o Palco Virtual, que ampliou os limites de alcance da produção cultural do TP”, frisou.

Lançado em 10 de setembro do ano passado, o Palco Virtual, projeto do Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult), disponibiliza apresentações da OSTP, da Amazônia Jazz Band e do Festival de Ópera. A ação visa dar continuidade ao projeto de itinerância iniciado em 2019, que buscava descentralizar as ações do Theatro e possibilitar que novos públicos tivessem contato com as produções.

Os vídeos são divididos em três canais presentes dentro do canal principal do Theatro da Paz no YouTube, intitulados Jazz, Ópera e Concertos, que juntos já somam mais de 8.6 mil visualizações. Entre as apresentações mais assistidas, têm destaque “What the world needs now is love”, executada pela AJB; a “Aria do Toreador Carmen”, apresentada pela OSTP; e trechos da ópera La Bohème.

O canal já possui 1.927 seguidores e mais de 11 mil visualizações nos 86 vídeos publicados. A conta foi criada em setembro de 2020 e, em poucas semanas, alcançou número de seguidores suficientes para adquirir domínio próprio: www.youtube.com/c/theatrodapaz_TP. Além do canal e do site, o Theatro da Paz conta com um perfil no Instagram que, apesar de recente, já possui mais de 2.700 seguidores.

Com a suspensão das visitas em decorrência das medidas de proteção contra o novo coronavírus, a Secult criou o projeto do Tour Virtual do Theatro da Paz. Por meio de um link disponível no site do teatro, o internauta tem a oportunidade de fazer um passeio por até 10 espaços do prédio. Antes da pandemia, o Da Paz recebia mensalmente cerca de 6.500 pessoas, provenientes das visitas guiadas e do público dos espetáculos. Em nove meses de Tour Virtual, já foram mais de 13 mil acessos.

Festival de Ópera – Transmitido ao vivo pela TV Cultura do Pará, no dia 30 de junho de 2020, o programa de lançamento do XIX Festival de Ópera do Theatro da Paz apresentou as atividades previstas para o ano e contou com um recital com o tenor Atalla Ayan, a pianista Adriana Azulay e as cantoras Lanna Bastos, Hosana Ramos e Kézia Andrade, grandes expoentes desse gênero musical. O Festival foi o primeiro a dar início às suas atividades de forma online, com oficinas e webinários, modelo que foi adotado, posteriormente, por outros estados que possuem casas de ópera.

O enfoque da XIX edição do Festival foi dado à formação do corpo artístico dos segmentos musicais e cênicos. Foram ofertadas 80 bolsas, sendo 40 para cantores líricos e 40 para técnicos de teatro. O curso gratuito foi todo desenvolvido via plataforma digital, teve duração de seis meses e contou com oito oficinas para cada grupo, entre elas: Criação de Conteúdo Digital, Preparação de Repertório, Preparação Musical de Cenas de Ópera, Introdução à História da Ópera, Introdução à Sonorização em Ópera, Introdução à Iluminação Cênica na Ópera, Noções Básicas de Direção de Ópera e outras.

A camareira Ivonilde Brito, 59, foi uma das participantes do curso. Ela conta que já teve a oportunidade de trabalhar em uma ópera, então quando soube do curso, ficou interessada em aprimorar os conhecimentos na área e ter novas experiências. “Quem me indicou foi meu antigo patrão. Achei muito interessante e desafiador aprender pela internet, porque consegui ver coisas que muitas vezes não via quando ficava no camarim ou atrás das cortinas. Se vierem outras oportunidades como essa, com toda certeza vou continuar aproveitando para aprender”.

Além das oficinas, foram realizados 16 webinários, com mais de 11 mil visualizações. Os ministrantes participaram gratuitamente, contribuindo de forma significativa para a visibilidade do Estado como agente ativo da economia da cultura, mantendo as pessoas que fazem parte da cadeia produtiva da ópera assistidas e atualizando seus saberes e ofícios em outros campos fora da sua área principal de ação. Um exemplo desse alcance foi a participação espontânea da filosofa Lúcia Helena Galvão Maia, que soma  mais de 40 milhões de visualizações de suas palestras nas plataformas digitais e presenteou o público dos webinários com uma aula exclusiva sobre a ópera A Flauta Mágica.

A cantora lírica Rebeca Leitão, 28, veio de Manaus a passeio em 2019 e acabou conhecendo o I Curso de Formação em Ópera. “Minha história com o Theatro começou naquele ano. Era um grande sonho que estava sendo realizado pelo Theatro da Paz e pela Secult. Fui aprovada e, assim, passei de turista a moradora de Belém. Participei das oficinas, aprendi muito com os professores de teatro e dança sobre diversas questões importantes para o cantor de ópera. E, para finalizar, tivemos a oportunidade de participar ativamente das óperas do festival. Acho que para qualquer aluno isso é de extrema importância: aprender e logo em seguida colocar em prática”, comenta a artista.

Com o fim do curso, a cantora lírica retornou a Manaus, mas em 2020 voltou à capital paraense para participar da segunda formação, que foi online por causa da pandemia. “Deixei meu filho com a minha família e vim para Belém, passei a pandemia longe deles, mas tive um tremendo apoio de todo mundo do Teatro da Paz, diretores, produtores, professores do curso. Então, para mim, é uma segunda casa e uma grande escola, não só de ópera, mas para a vida. O acolhimento e valorização que essa casa dá para seus artistas paraenses eu não vi em nenhum outro lugar até hoje”.

Rebeca se emociona ao compartilhar sua vivência com a equipe do Theatro. “Com certeza, são essas as experiências que nos fazem ter muito mais impulso e vontade de continuar seguindo nossos sonhos. A jornada do artista, do cantor de ópera, é infinita e estamos sempre buscando nos aperfeiçoar cada vez mais. Só tenho a agradecer aos professores, ao diretor, aos profissionais que cuidam da limpeza do Theatro e aos demais que me acolheram de uma forma que nem consigo explicar”, disse.

As aulas ministradas renderam frutos. Foram produzidas cinco obras curtas de 20 a 40 minutos, com previsão de serem apresentadas em 2021: “Fête Galante”, de Ethel Smith; “Die Abreise”, de Eugen d’Albert; “Zanetto”, de Pietro Mascagni; “La Princesse Jaune”, de Camille Saint-Saëns; e “Die Verschworenen”, de Franz Schubert.

Serviço:

Programa de celebração do aniversário do Theatro da Paz
Segunda-feira (15), às 18h30
TV Cultura (canal 2.1)