Indígenas das aldeias Kateté começaram a receber as 14 mil mudas frutíferas

As aldeias Kateté, Djudjêkô, Ôôdjã e Pokrô começaram a receber as 14 mil mudas de açaí BRS e cacau, além de cerca de 240 kg de sementes de milho para plantio. A etnia Xikrin está trabalhando com a implantação de sistemas agroflorestais dentro das 4 comunidades. A entrega dessas mudas contribui com o avanço desse projeto. Uma parte foi entregue de 14 a 16 de janeiro e o restante será entregue na próxima semana.

Na aldeia Kateté, Aborijan utiliza o sistema ecológico de cultivo agroflorestal em sua roça, o cabruca, que aproveita as árvores já existentes no local para fazer o sombreamento necessário para o cultivo do cacau. “Queria plantar algumas mudas e agora consegui. Tenho que sustentar minha família, que está crescendo e tenho que levar alguma coisa para um futuro melhor pra eles”, comemora  Aborijan Xikrin.

Os indígenas da aldeia Pokrô ficaram felizes com o incentivo que receberam para aumentar a produção. “A comunidade gosta muito de cacau, açaí, milho. Todo mundo vai plantar, comer, vender e ganhar dinheiro”, disse Ngrey Katy. “É bom pra melhorar a comunidade, a comunidade também gosta de plantar pra viver”, ressaltou Bep Maroto. “Tô muito feliz com essas mudas de cacau e açaí”, afirmou Bekuoidjoiti Xikrin.

“A governo municipal já disponibiliza assistência técnica para os indígenas, de acordo com a demanda deles. Após um levantamento que será realizado pelos próprios indígenas, a Prefeitura vai ofertar capacitações teóricas e práticas voltadas principalmente para o cultivo de cacau, milho e açaí”, pontuou a engenheira agrônoma da Secretaria Municipal de Produção Rural (Sempror), Sinara Albuquerque.

Texto: Rayssa Pajeú

Foto: Lucas Dias

 Assessoria de Comunicação – Ascom/PMP