Governo quer transparência e agilidade na distribuição de cestas de alimentação para alunos da rede pública estadual

O governador Helder Barbalho reuniu, na tarde desta terça-feira (31), com representantes do Ministério Público Estadual (MPE), Tribunal de Contas (TC) e empresários ligados aos setores atacadista e supermercadista do Estado para definir o novo formato para distribuição de cestas de alimentação aos alunos da rede pública estadual de ensino. Com a medida, o Estado quer dar mais transparência e agilidade na entrega. A agenda foi realizada no Palácio do Governo, em Belém.

O governador Helder Barbalho explica que, nesta quarta-feira (01), será publicado no Diário Oficial do Estado, um chamamento público para contratação das empresas responsáveis pelo fornecimento e distribuição dos alimentos nas escolas estaduais. A expectativa de conclusão da contratação é de 72 horas. O prazo para entrega dos alimentos é de até 20 dias. Também ficou definido que a contratação dos fornecedores será dividida em 12 lotes. Cada empresa poderá atender até dois deles.

Foto: Bruno Cecim / Ag.ParáOs lotes foram definidos por regiões de integração. Confira abaixo:

– Guajará
– Baixo Amazonas
– Tapajós
– Xingu
– Tocantins
– Carajás
– Rio Capim
– Lago de Tucuruí
– Guamá
– Rio Caeté
– Araguaia
– Marajó

Helder Barbalho explica que o novo formato de contratação é uma solução coletiva e transparente para contratação da distribuição das cestas de alimentação. O governador afirmou ainda que, neste momento, o maior desafio está na logística por conta das dimensões continentais do Estado, mas reafirmou o compromisso em entregar alimentação a todos os alunos da rede pública Estadual.

“Quero a transparência e fiscalização de todo o processo. Essa é uma ação de Governo que envolve um valor significativo, da ordem de R$ 70 milhões, por tanto, não é um valor pequeno. Queremos o acompanhamento dos órgãos de controle neste importante processo que irá levar alimento aos nossos alunos”. Helder Barbalho – governador do Pará.

Helder também solicitou aos empresários um amplo esforço diante da pandemia do novo coronavírus. “Este é um momento de dificuldades para todos e precisamos atravessar juntos”, completou o governador.

Já Odilon Inácio Teixeira, presidente do Tribunal de Constas do Estado (TCE), ressaltou que o modelo compartilhado e adotado pelo Estado para contratação dos fornecedores, demonstra a responsabilidade na aplicação dos recursos públicos.

“Importante destacar que nesta operação não são apenas os preços dos insumos como os alimentos, mas também, o da logística. Várias empresas terão oportunidade de fornecer ao Estado. É uma decisão acertada do Governo que movimenta a economia e soluciona um problema. Também é uma medida que dá transparência e isto é bom e salutar para a sociedade paraense”, pondera.

Elieth de Fátima Braga, secretária de educação

A secretária de Educação (Seduc), Elieth de Fátima Braga, explica que o Estado está empenhado em superar as adversidades logísticas encontradas para distribuição das cestas.

“Estamos em um novo momento de aquisição das cestas. Tivemos dificuldades logísticas e ainda não conseguimos fazer com que as cestas cheguem ao maior número de escolas. Abrimos esse chamamento público para que o setor atacadista supermercadista possa auxiliar nesta distribuição”, ponderou.

Já o presidente da Associação Paraense de Supermercados (Aspas), Jorge Portugal, ressaltou que o desafio é grande e o momento é de união. “Sabemos que é uma logística muito difícil. São 144 municípios envolvidos nesta operação, mas toda a entidade está presente para, junto com o Governo do Estado, auxiliar no fornecimento da alimentação”,  ressaltou.