Fundo da Amazônia Oriental é destaque em debate virtual

Belém, Pará, Brasil. Semas alerta para rigor do 'inverno amazônico' - Mauro O’ de Almeida - Secretário da Semas

Uma transmissão ao vivo, feita pelo instagram da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade, marcou o lançamento do edital para seleção do comitê gestor do Fundo da Amazônia Oriental (FAO). O evento virtual teve como anfitrião o titular da Semas, Mauro O’ de Almeida, e as participações do economista, pesquisador e ex-diretor do BID no Brasil, Rogério Studart e da advogada e coordenadora da Ong TNC, Teresa Moreira.

O secretário Mauro O’ de Almeida destacou a importância do FAO para o desenvolvimento sustentável da Amazônia Foto: Ricardo Amanajás / Ag. Pará

O secretário Mauro O`de Almeida, fez uma breve abertura destacando a importância do atual momento de estruturação do Fundo, com a publicação do edital que vai selecionar o comitê gestor, com destaque para o papel protagonista da sociedade civil nesse contexto. “O FAO pretende ser a ponte entre o serviço público e a iniciativa privada para aqueles que querem colaborar, apoiar e conduzir a economia ao desenvolvimento sustentável. A experiência nos mostra que é possível ter resultados positivos no combate ao desmatamento, a exemplo da redução de 14% ocorrida na comparação entre os anos de 2019 e 2020, por isso, ter investimentos canalizados às ações, nesse e em outros eixos, é tão importante para o Pará”, afirmou o secretário.

Rogério Studart, que foi o primeiro convidado a entrar na live, destacou a importância de ter projetos que não apenas apontem para o desenvolvimento sustentável, mas o caminho para se chegar a esse objetivo. “Acredito que o Fundo é como um porto seguro para garantir investimentos importantes para a gestão pública ambiental na Amazônia paraense”, complementou o economista.

Em seguida, Teresa Moreira falou sobre o conjunto de ações, envolvendo esferas públicas e privadas, que devem andar alinhadas à estratégia para alcançar as metas do Pará: “O papel do FAO nesse cenário, é fundamental para articular tanto os esforços do setor público, do setor privado, no estabelecimento de uma agenda compartilhada, a partir de metas claras e orientadas pelo Plano Estadual Amazônia Agora, que trazem oportunidade de engajamento com foco no desenvolvimento efetivo de uma economia de baixo carbono”, concluiu Teresa.

O edital de lançamento para a escolha do comitê gestor do FAO foi publicado em diário oficial, na quarta-feira (10), a seleção será feita pela Semas entre os meses de abril e agosto. Após selecionada, essa entidade iniciará a execução de recursos aportados no Fundo, voltados para as metas do Amazônia Agora. A expectativa é que o FAO seja um mecanismo operando simultaneamente com outros fundos públicos, com a diferença de que, por ser um mecanismo recebedor de recursos de natureza privada, opere com maior fluidez e agilidade, ampliando os investimentos nas diferentes regiões do Estado.