Fundação Santa Casa promove capacitação sobre o Método Canguru

A Fundação Santa Casa do Pará encerrou, nesta sexta-feira (18), a capacitação sobre o Método Canguru, que teve duração de três dias e capacitou profissionais da própria Santa Casa, do hospital Abelardo Santos, em Belém, e de profissionais do hospital Materno Infantil do município de Barcarena. O treinamento feito de modo presencial e online abordou sobre as normas de atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso atendidos nas maternidades e unidades neonatais.

A pediatra neonatologista Vilma Hutim foi a facilitadora da capacitação multiprofissional e explicou que o curso faz parte da educação permanente implementada pela Fundação Santa Casa todos os anos. A médica diz que a importância da capacitação no modelo preconizado pelo Método Canguru, é um método que constitui uma política pública de saúde nos cuidados adequados visando as boas práticas e dentro dessas boas práticas, da equipe multi na assistência e no cuidado compartilhado com a atenção básica tendo como objetivo reduzir a mortalidade e morbidade neonatal.

“Considerando que trata de uma capacitação que envolve exposições dialogadas baseadas em evidências sobre os cuidados com os estímulos adversos, prevenção de dor na unidade que constitui a neuroproteção de como fazer o manuseio, a organização desses bebês no berço, nas incubadoras. As maneiras, os protocolos, os cuidados para a redução da dor. E tudo isso é trabalhado durante essa capacitação, com exposições teóricas e simulação desses cuidados, com todos esses profissionais”, relata a neonatologista.

A técnica de enfermagem Maria Helena Silva, relata que nesse curso está aprendendo algo básico que não sabia como técnica. “Principalmente em manusear recém-nascido, na troca de fralda, até mesmo acalentar o bebê. Eu não sabia que até no toque ele sentia dor. E aqui nessa capacitação eu estou podendo tirar dúvidas que jamais poderia tirar em qualquer outro curso. É de suma importância para o profissional de saúde, principalmente quem lida com recém-nascidos, fazer treinamento como esse”.

Sobre o ato da troca de fraldas de um bebê, a doutora Vilma Hutim explica que se você não tiver uma técnica correta e levantar as perninhas sobre o abdômen dele, você pode aumentar a pressão intra-abdominal e levar esse recém-nascido a vomitar, se engasgar. Além de aumentar a pressão na cabeça desse prematuro e terminar fazendo uma hemorragia em sua cabeça.

“Qual o objetivo de demonstrar aos profissionais de enfermagem, que realizam suas atividades no dia a dia. Se ela trocar a fralda de uma forma inadequada vai contribuir para uma hemorragia na cabeça desse bebê. Se eu não deitar esse bebê de uma maneira, em uma postura adequada, dentro do chamado ninho adequado, eu posso estar determinando condições de aumentar a pressão, fluxo sanguíneo, desorganizar esse recém-nascido e causar lesões cerebrais, além de aumentar a necessidade do uso de oxigênio no aparelho”, diz a neonatologista.

A médica informa ainda que existe uma série de cuidados envolvidos com esse bebê durante toda a internação e por ele ser prematuro não tem estruturas neurológicas ainda formadas. Por isso é importante a equipe cuidar, utilizar os protocolos de cuidados integrais adequados, incluir a família (pai, mãe e/ou cuidador). Englobar cuidados com o ambiente, com a família, com a equipe para cuidar melhor na assistência desse bebê, para que ele tenha menos sequelas e vá para a casa com qualidade de vida.

Qualificação – Uma das referências na região Norte, do Método Canguru, a Santa Casa do Pará vem, desde 2015, capacitando profissionais de saúde das unidades Básicas da Região Metropolitana de Belém e de outros municípios na prestação de atendimento aos bebês que recebem alta hospitalar, mas precisam de acompanhamento de acordo com as recomendações do método, até alcançarem 2,5 quilos. O ganho de peso adequado para os recém-nascidos está diretamente relacionado à boa saúde e ao desenvolvimento dos bebês.

As etapas definidas no manual técnico do Método Canguru, disponibilizado pelo Ministério da Saúde são:

1ª Etapa: começa no pré-natal, seguido de internação do recém-nascido de baixo peso na Unidade Neonatal (Unidade de Tratamento Intensivo – UTI neonatal e Unidade de Cuidados Intermediários)

2ª Etapa: o bebê tem sua permanência contínua com a mãe na Enfermaria Canguru, de modo que os cuidados com o recém-nascido tenham maior participação materna

3ª Etapa: se inicia com a alta hospitalar, e exige acompanhamento ambulatorial criterioso do bebê e de sua família. O Método Canguru, desde a primeira fase, é realizado por uma equipe multidisciplinar, capacitada na metodologia de atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui