Estado anuncia que BRT Metropolitano começa a operar em março de 2023

Em visita às obras da nova estrutura viária e de mobilidade urbana localizada em parte da rodovia BR-316, na tarde desta quarta-feira (09), o governador Helder Barbalho definiu prazos para a entrega das obras. Para este primeiro semestre, o viaduto de Ananindeua, que interligará o Terminal e a Avenida Ananin, cujas obras estão em andamento. A nova avenida ligará a BR ao Paar, Conjunto Guajará e Cidade Nova, se tornando mais uma rota de acesso ao município.

Também está prevista a conclusão das obras civis, como os terminais de integração (Ananindeua e Marituba) e o Centro de Controle Operacional (CCO), que concentrará a operacionalização do sistema integrado de transporte, o qual deve entrar em operação até março de 2023.Interligação com vários pontos da RMB e um novo sistema de transporte rápido estão entre as metas do projeto da Nova BRFoto: Marco Santos / Ag. Pará

A visita do governador foi acompanhada pelo engenheiro Eduardo Ribeiro, titular do Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano (NGTM). “O governador ouviu a explanação do plano de recuperação do cronograma de obras, e a nossa expectativa é que até final de junho tenhamos etapas executadas. O prazo final para o início da operação do sistema, em março de 2023, com a obra toda funcionando, inclusive com a parte dos sistemas que darão suporte para a operação dos ônibus”, explicou Eduardo Ribeiro.

Audiências públicas – Ainda neste semestre, o governo do Estado, por meio do NGTM, realizará audiências públicas nos municípios beneficiados pelo sistema (Belém, Ananindeua, Marituba e Benevides) para tratar sobre a licitação das linhas de ônibus do BRT Metropolitano.Reunião do governador com a equipe responsável pela obra, que conta com recursos da Jica e do Tesouro EstadualFoto: Marco Santos / Ag. Pará

O novo projeto, que envolve os primeiros 10.8 quilômetros da rodovia, tem como objetivo a implantação do sistema integrado de transporte, o BRT Metropolitano, além de promover melhorias na mobilidade urbana para quase 2,5 milhões de pessoas que vivem na Região Metropolitana de Belém. A Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica) financia 78% das obras, enquanto os demais 22% são recursos do Tesouro Estadual.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui