Enfermeiros contam como superaram barreiras para conquistar formação na área

Tidos como uns dos heróis da pandemia, muitos dos enfermeiros que hoje atuam na linha de frente no combate à Covid-19 tiveram, antes disso, que enfrentar inúmeras outras batalhas para conquistar o diploma de Enfermagem. Segundo levantamento da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES), 40% dos brasileiros não têm condição de ingressar em uma faculdade e precisam de apoio através de programas de bolsa de estudo ou financiamento estudantil.

Tratando-se de cursos da área da saúde, o desafio é ainda maior. No Brasil, o valor médio de uma mensalidade do curso de Enfermagem é de mil reais, de acordo com a Catho, valor considerado alto para a renda média domiciliar do trabalhador brasileiro, que é de R$ 1.380, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em fevereiro deste ano. Ainda que a graduação seja um sonho, o diploma não cabe no orçamento de muitas famílias.

Em um país onde a maioria das instituições de ensino superior é particular, iniciativas de inclusão educacional, como programas governamentais – Prouni e Fies – e bolsas de estudo ofertadas por empresas privadas, a exemplo do Educa Mais Brasil, são responsáveis por injetar na faculdade particular novos profissionais que não teriam condição de pagar uma mensalidade integral. No mercado de trabalho, esses profissionais se revelam mais do que essenciais para a sociedade.

Enfermeira Elzirene-CE. Foto acervo pessoal

Aos 32 anos, Elzirene Marques é enfermeira, especialista em Implementação de Unidades COVID em Fortaleza, capital do Ceará, e professora universitária e de nível técnico. É a primeira pessoa da família a se formar no ensino superior, e conseguiu o título de Bacharel em Enfermagem com ajuda do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). E não para por aí: ela é a primeira mulher a ser coordenadora administrativa de um hospital de campanha da Covid-19 em Fortaleza. Antes disso, foi ela quem precisou de socorro.

Hoje Elzirene trabalha atendendo pacientes em um dos hospitais de campanha no Ceará. No entanto, para conseguir concluir a sonhada graduação, conciliava os estudos com três empregos como técnica de Enfermagem e chegava a pegar seis ônibus por dia. A rotina pesada foi amenizada faltando um ano e seis meses para a formatura, quando conseguiu ser contemplada pelo FIES.

“O Fies é muito importante. Imagine quantas pessoas querem se formar e passam pela mesma situação que eu passei. Meus pais não tinham condições de pagar uma faculdade para mim, a gente foi na luta, e graças à ajuda do Fies eu pude passar mais tempo com minha família e aliviar a rotina que era difícil quando eu precisava conciliar os três empregos para pagar a faculdade antes de conseguir o benefício da bolsa”, relembra.

Enfermeiro Carlos Arruda-BA. Foto acervo pessoal

Filho de uma pedagoga e mãe solo, Carlos Eduardo Arruda, de 25 anos, é enfermeiro e coordena uma Unidade Básica de Saúde da Família (UBSF) em Iaçu (BA). Apaixonado pela área da saúde, quase viu seu sonho não ser realizado, até usar a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para entrar na faculdade por meio do Fies. Pelo seu desempenho na profissão, foi convidado para trabalhar em um hospital da Alemanha, cuja ida está prevista para 2022.

Carlos procurou o programa de financiamento estudantil desde o início da graduação e, segundo ele, se não fosse pelo programa seria inviável fazer a faculdade por causa do valor da mensalidade. O socorro financeiro foi ótimo, porém pagar a parte financiada após a formatura – e com juros – é motivo de preocupação. “Vou pagar R$600 por mês a partir do ano que vem. Já recebo pouco e ainda terei que desembolsar esse valor, mas é melhor pagar R$600 do que mil e pouco. Para quem quer crescer na vida é uma ótima oportunidade, basta querer e procurar”, argumenta.

Cresce interesse pelo curso de Enfermagem no Brasil

Uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES), com 614 entrevistados, mostrou que 36,1% deles têm interesse por cursos presenciais na área da saúde, cuja preferência é a graduação em Enfermagem, com 11,7% das intenções.

A pesquisa coincide com dados do Censo da Educação Superior de 2019, que já indicavam alta na procura pelas graduações em saúde. “A preferência por formações na área da saúde expõe a crescente valorização desses profissionais durante o combate à pandemia, em especial na linha de frente de enfrentamento”, pontua o diretor-presidente da ABMES, Celso Niskier.

A crescente procura é confirmada por instituições de ensino superior, como a Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, localizada em Salvador, na Bahia. “Tivemos em 2021.1 um aumento de 74% de inscritos e 22% de matriculados em Enfermagem”, afirma o gestor comercial da instituição, Fred Silveira.

O aumento do interesse também foi percebido pelo maior programa de inclusão educacional privado do país, o Educa Mais Brasil, onde as contratações de bolsas para cursos de Enfermagem duplicaram neste ano em comparação ao mesmo período do ano passado.

“Enfermeiros e demais profissionais de saúde estão tendo um papel fundamental nesta pandemia o que só reforça a importância de programas como o Educa que facilitam o acesso ao ensino superior. Contribuímos para a formação de profissionais que são essenciais para salvar vidas”, destaca a gerente nacional de Relacionamento do Educa Mais Brasil, Joyce Guedes.

Dando os primeiros passos na graduação em Enfermagem neste semestre, a pernambucana Júlia Daniela Ferreira, de 39 anos, não pôde ingressar na faculdade logo após concluir o ensino médio por falta de recursos financeiros. Nas idas e vindas ao hospital, acompanhando o tratamento oncológico da mãe, ela renovava o interesse pela Enfermagem vendo a dedicação e cuidado dos profissionais.

Mesmo diante da dor de acompanhar a genitora até o fim da vida, Júlia decidiu que sua missão seria cumprida trabalhando como enfermeira. “Com a bolsa de estudo do Educa Mais Brasil, eu só pago R$ 300 de uma mensalidade que custa mil reais. Foi o momento certo para começar a faculdade. Vejo a pandemia como uma oportunidade para cuidar do próximo. Enfermagem é isso”, define a estudante na expectativa de dar o seu melhor durante a formação para, daqui a alguns anos, cuidar das pessoas.

Fonte:  Agência Educa Mais Brasil