Emater combate praga em plantação de mandioca com inseticida natural

A equipe da Emater já está coletando lagartas para fazer o inseticida natural e pulverizar as plantações da região
A equipe da Emater já está coletando lagartas para fazer o inseticida natural e pulverizar as plantações da região

Um produto natural, feito com a calda da própria lagarta, está ajudando a combater a lagarta mandarová, na plantação de mandioca do agricultor Silas Pereira, na comunidade do Real, a 5 quilômetros da sede do município de Irituia, no nordeste paraense. O controle biológico da praga, orientado por técnicos do escritório local da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater), está dando bom resultado. Quando Silas identificou a lagarta na plantação, já havia perdido 1,5 hectare de mandioca.

Em Irituia não havia registro do aparecimento de mandorová há cerca de 20 anos, o que tornou os plantios vulneráveis, pois os produtores desconheciam a praga. Silas Pereira solicitou orientação à bióloga Silvia Raquel Lima Nascimento e ao técnico em Agropecuária José Valdeci Benício da Silva, ambos da Emater, e foi iniciado o controle biológico. “A lagarta mandarová não tem controle químico. Então utilizamos esta técnica, recomendada pela Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária). Esta é a primeira vez que se usa esse inseticida natural”, informou Silvia Nascimento.

Em uma semana de aplicação, a praga foi controlada na plantação de Silas, e agora a equipe está recolhendo lagartas para preparar a calda, a fim de armazenar e também pulverizar lavouras próximas, visando o controle imediato com a destruição das larvas.

Os técnicos da Emater estão programando ações para informar sobre a praga em outras comunidades vulneráveis ao ataque da lagarta mandarová.

Paula Portilho
Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará