Editora pública da Imprensa Oficial do Estado do Pará completa um ano de existência

Com quase 30 livros editados, parcerias importantes e dois editais lançados, Editora Dalcídio Jurandir se firma como espaço de valorização da literatura paraense e de acesso à cultura  
 
Em um ano de criação e atuação completados nesta segunda (24), a Editora Pública Dalcídio Jurandir, da Imprensa Oficial do Estado do Pará (Ioepa), editou e publicou mais de 29 obras, lançou dois editais literários, participou da 23ª Feira do Livro e das Multivozes em Belém, esteve nas Festas Literárias de Marabá e Santarém, e promoveu ações de acesso à leitura  junto ao público nas Universidades Federal do Pará e do Estado do Pará. Criada a partir de do Decreto nº 272, de 24 de agosto de 2019, assinado pelo governador do Pará, Helder Barbalho, no lançamento oficial da Feira do Livro e das Multivozes, a Editora Pública do Estado vem se firmando como um espaço para a sociedade ter acesso à cultura e à literatura, sempre valorizando os autores paraenses de todas as vertentes e estilos.

Para o coordenador da editora, Rodrigo Moraes, a Editora Dalcídio Jurandir teve grandes conquistas, mas ele destaca a consolidação de uma política pública de democratização do acesso à publicação de obras. “Antes da criação da editora, não havia uma política pública, que tornasse o processo de publicação de obras amplo, transparente e acessível a todos os autores de todas as regiões. Por isso, o lançamento do Edital ‘Prêmio Literário Dalcídio Jurandir’ foi um marco na mudança em relação ao acesso aos recursos da Ioepa. O edital é a forma mais justa e democrática de garantir que o dinheiro público seja usado em prol de quem produz arte e cultura e de quem paga seus impostos”, opina Rodrigo Moraes.

O “Prêmio Literário Dalcídio Jurandir 2019” foi criado com o objetivo principal de fomentar e incentivar a produção literária paraense de novos autores. Organizado e coordenado por Moisés Alves de Souza, integrante da “Dalcídio Jurandir”, o edital, nessa primeira edição, tem um papel importante na democratização da participação dos autores paraenses. O edital recebeu mais 130 inscritos. Destes, passaram por uma comissão de habilitação, que selecionou 70 autores e, depois, a comissão julgadora avaliou o mérito das obras, para se chegar ao resultado final. Foram selecionados 10 autores na categoria prosa e quatro na de poesia. A entrega solene das obras está prevista para o dia 1º de dezembro. Serão 11 livros a serem lançados, sendo 10 de prosa e um de uma coletânea de poesia. As inscrições ocorreram de 4 de novembro de 2019 até 14 de janeiro de 2020, e o resultado foi divulgado o último dia 25 de junho.

Rodrigo Moraes disse que a editora já prepara a segunda edição do edital de literatura da Ioepa e em parceria com a Universidade do Estado do Pará  (Uepa) em um edital para a publicação de trabalhos científicos e acadêmicos da universidade paraense. “Estamos mostrando à sociedade que e Imprensa Oficial tem uma nova gestão; uma equipe que pensou a editora com uma política pública para impressão de obras e que se consolida como um espaço de acesso à cultura. Vamos continuar nosso trabalho  de consolidação dessa gestão, que pensou, formatou e constituiu, de fato, uma editora pública”, opina Rodrigo Moraes.

Nas palavras do presidente da Ioepa, Jorge Panzera a construção de uma política pública de publicação e edição consegue chegar ao seu primeiro ano, abrindo perspectiva para se firmar como importante instrumento de valorização dos autores locais, de integração do Estado, publicando livros de todas as regiões. “Sabemos que livros não mudam o mundo, mas livros mudam pessoas e as pessoas é que mudam o mundo. Dessa forma estamos contribuindo na caminhada de construção de um Estado do Pará mais justo e desenvolvido, seguindo a premissa do governador Helder, de um Governo por Todo o Pará”, afirma Panzera.
Eduardo Rosas/Ascom Ioepa Eduardo Rosas/Ascom Ioepa