Dia da Saúde e Nutrição: especialista alerta sobre os perigos da má alimentação

A maior parte dos problemas de saúde começa com uma inflamação crônica de baixo grau que é provocada por maus hábitos como sedentarismo, níveis altos de estresse, alimentação inadequada, uso em excesso de açúcar e de sal. Reflexo disso são as doenças crônicas que atualmente matam cerca de 80% da população mundial. Diabetes, hipertensão arterial, doenças cardiovasculares e respiratórias crônicas são resultado de um comportamento inadequado repetitivo.

Um trabalho publicado no JAMA, no ano de 2014, mostrou que alimentação de má qualidade matava mais do que cigarro. Em abril de 2019, a revista Lancet, uma das mais importantes publicações médicas do mundo, mostrou que o fator nutricional que mais contribui para a mortalidade é o pouco consumo de vegetais, que são ricos em sais de magnésio e potássio, e o excesso de sódio. “O sal está presente em praticamente 100% dos produtos industrializados”, alerta Italo Almeida, especialista em Medicina Integrativa.

O especialista aponta ainda a necessidade de reduzir a ingestão de alimentos que causam uma inflamação crônica e, com isso, diminuem o risco de desenvolver patologias, mesmo havendo predisposição genética. “Não somos vítimas indefesas da hereditariedade. Nosso comportamento tem mais influência que os genes no aparecimento das doenças”, alerta, destacando que a alimentação é um dos grandes reguladores dos genes. Um em cada três brasileiros consome frutas e hortaliças com regularidade. E desses somente um em quatro comem a quantidade recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS): o equivalente a 400g/dia.

A Epigenética tem comprovado cientificamente que a hereditariedade tem influência de apenas 20% no desenvolvimento de patologias nas gerações futuras. O comportamento pode mudar o rumo da saúde muito mais que a genética. Os genes só serão ativados se tiverem o mesmo estímulo. “Se o filho desenvolve um hábito alimentar diferente dos pais, por exemplo, come mais frutas e hortaliças, os genes permanecem latentes, mas não se expressam”, reitera o diretor técnico da Neuro Integrada.

Neurologista Italo Almeida, diretor técnico da Neuro Integrada – Crédito – Divulgação

Com 37 anos de formado – 18 deles dedicados à Medicina Natural – Italo Almeida vem ministrando cursos para profissionais da área de saúde que tenham interesse em aprender mais sobre o poder de prevenção e cura dos alimentos. Médicos de diversas especialidades, enfermeiros, farmacêuticos, psicólogos, nutricionistas têm buscado mais conhecimento sobre Medicina do Estilo de Vida e Naturologia. “Os profissionais de saúde de hoje não entendem muito de saúde, entendem muito de doença e de remédio. A formação acadêmica ocidental ensina a tratar sintomas e não a buscar origem das doenças”, pontua.

Apostar em um único alimento da moda como salvador não é o caminho. A prática clínica na Neuro Integrada tem comprovado que o consumo frequente e regular de um conjunto de alimentos melhora a saúde de uma forma geral. “Obviamente, alguns como o gengibre, a cúrcuma e o cravo da índia têm grande poder antioxidante e ajudam nos processos digestivos, algo muito importante pois proteínas mal digeridas podem provocar uma série de intolerâncias, prejudicar a microbiota e contribuir para a formação de cistos e nódulos, tão comuns hoje em dia”, explica o especialista.

Mais importante que acrescentar alimentos saudáveis é reduzir a ingestão dos alimentos tóxicos já que o alto nível de adoecimento está muito associado ao estilo de vida atual, com uma dieta farta em alimentos processados e ultraprocessados, carregados de conservantes, sal e açúcar. “O leite animal é outra grande fonte de intoxicação para nosso organismo. É o excesso de produtos químicos que intoxica o sistema. Quando retiramos os alimentos agressores, a saúde melhora consideravelmente”, garante Almeida respaldado por outros estudos sobre as chamadas Zonas Azuis (Blue Zones).

Moradores da província de Nuoro, na Sardenha; das ilhas de Icária, na Grécia, e Okinawa, no Japão; da península de Nicoya, na Costa Rica; e da vila de Loma Linda, no sul da Califórnia apresentam uma taxa altíssima de centenários – 45% superior à média das nações mais longevas do mundo. Comer menos, especialmente à noite, evitar proteína animal e manter-se ativo garantem o envelhecimento saudável. “Das cinco zonas mapeadas uma é completamente vegetariana e as outras são predominantemente vegetarianas, ou seja, consomem uma quantidade mínima de proteína animal e grande quantidade de vegetais.  Não precisamos nos tornar vegetarianos, mas é recomendável aumentar o consumo de vegetais (frutas, legumes, folhas, sementes…), nutrientes ideais para nossa microbiota favorável que aumentam energia e saúde”, conclui.

 

Fonte: Agência Educa Mais Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui