Depressão: 5% da população mundial sofre da doença

Caracterizada por uma tristeza profunda, melancolia, cansaço
e falta de motivação para as atividades diárias, a depressão, ou
transtorno depressivo, é causada por fatores genéticos e neuroquímicos
(mau funcionamento dos neurotransmissores cerebrais), somados a fatores ambientais,
sociais e psicológicos.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a depressão deve se tornar,
em 20 anos, a doença mais comum no mundo, afetando mais pessoas do que qualquer
outro problema de saúde.

Apesar da alta incidência, a doença é cercada de preconceitos, assim como os demais
transtornos mentais e é, muitas vezes, confundida como sendo apenas uma tristeza,
algo que “vai passar”. A depressão é um quadro que traz uma sensação de vazio no
peito, de que a vida está sem significado.

Causas 

A depressão pode ser o resultado de uma pré-disposição genética que altera
a bioquímica cerebral, ou seja, diminui a produção de dopamina e de outros neurotransmissores responsáveis pelo estado de bem estar. Entretanto, alguns
acontecimentos na vida, como traumas na infância, traumas, estresse psicológico
ou o consumo de drogas, podem provocar alterações na bioquímica do
cérebro e levar o indivíduo à depressão. Assim também a doença pode levar
a outros problemas, como o transtorno de ansiedade, bipolaridade, TOC (transtorno
obsessivo compulsivo), entre outros.

A depressão induz o indivíduo ao consumo de álcool e drogas , sempre na tentativa
de aliviar da dor e que resultam numa comorbidade (dependência química). Considerada
o 4º maior motivo de afastamento do trabalho, a depressão precisa ser encarada
sem preconceitos. É necessário entender que os indivíduos que enfrentam a
doença precisam de cuidados médicos.

Depressão, alcoolismo e drogas Muitos dependentes de álcool e drogas
são depressivos. As substâncias consumidas liberam um alto grau de dopamina, o
que faz com que a pessoa se sinta eufórica, distante de si e de sua realidade. Quando
o tempo de eficácia da droga cessa, o dependente se deprime novamente, e precisa
fazer uso da substância para voltar a ter bem estar num ciclo nocivo e perigoso.” A
depressão não escolhe idade, gênero ou raça. E é por esta razão que parentes e familiares
devem ficar atentos quando existe mudança de comportamento nas crianças
ou adolescentes e idosos. O mesmo quando amigos ou pessoas próximas evitam sair de
casa, têm dificuldades de relacionamento ou no trabalho. A depressão, como qualquer
outra doença. tem seus sintomas”, complementa a psiquiatra Julieta Guevara,
Diretora da Neurohealth, Clínica do Rio especializada no uso de métodos biológicos
no tratamento da depressão e outras patologias de ordem comportamental.