Creme com carvão ativado pode prejudicar a saúde bucal

Cada vez mais, temos presenciado o aumento de tratamentos estéticos para o clareamento dental. De acordo com o estudo Efficacy of Dental Bleaching with Whitening Dentifrices: A Systematic Review (Eficácia do clareamento dental com dentifrícios clareadores: uma revisão sistemática), a alteração da cor dos dentes é um dos pedidos mais comuns relatados por pacientes que procuram consultórios odontológicos.
Diante da popularidade de cremes dentais contendo carvão ativado nas prateleiras dos supermercados e das farmácias, a pesquisadora Gabriela Conde dos Santos percebeu a necessidade de investigar quais os efeitos desses produtos na superfície dental, especificamente sobre o esmalte dental.
A dissertação O dentifrício branqueador contendo carvão ativado interfere nas propriedades do esmalte dental? Análises de microdureza, rugosidade superficial e colorimetria, orientada pelo professor Sandro Loretto, foi apresentada no Programa de Pós-Graduação em Odontologia da Universidade Federal do Pará (PPGO/UFPA).
O experimento, realizado no Laboratório de Biomateriais do PPGO, contou com corpos de prova confeccionados de dentes incisivos bovinos, que, de acordo com a pesquisadora, sse trata de um material substituto dos dentes humanos, cientificamente comprovado em outras pesquisas odontológicas.
“Os dentes foram submetidos à escovação diária, por 14 dias, com três cremes dentais diferentes: um creme dental convencional (não branqueador), um creme dental branqueador (à base de pirofosfato de cálcio) e um creme dental branqueador contendo carvão ativado. Além disso, um quarto grupo de estudo utilizou um gel clareador à base de peróxido de carbamida a 10% (PC10)”, relata a dentista.
De acordo com Gabriela Santos, foram realizadas as leituras de microdureza, rugosidade superficial e colorimetria, antes e no final do experimento, em cada um dos 60 corpos de prova utilizados no estudo. “Com a popularização e a divulgação em massa desses produtos, percebemos a necessidade de investigar quais as possíveis consequências que o uso dessa categoria de creme dental poderia provocar nos dentes”, afirma.
Produto apresenta risco de efeitos adversos
Os resultados da pesquisa apontam que o creme dental branqueador contendo carvão ativado aumentou a rugosidade do esmalte dental e não promoveu uma alteração de cor (branqueamento) compatível com a verificada por outros produtos e outras técnicas disponíveis no mercado, como o gel clareador à base de peróxido de carbamida a 10% (PC10).
Gabriela Santos esclarece que o clareamento com o PC10 é considerado um tratamento seguro e eficaz, principalmente quando realizado sob supervisão profissional. “A preservação da microdureza do substrato é essencial para a manutenção da saúde bucal e integridade da estrutura dental, pois reflete na capacidade do dente em resistir às forças mastigatórias e aos desafios mecânicos e químicos”, afirma.
“O carvão ativado presente nestas novas categorias de cremes dentais atua como um importante agente abrasivo do esmalte, acarretando o aumento significativo da rugosidade superficial desse tecido, o que deve ser entendido como prejudicial, pois, ao permitir a ocorrência de uma superfície mais porosa, aumenta a suscetibilidade do esmalte ao manchamento e favorece maior acúmulo de biofilme dental, a chamada placa bacteriana, que pode ocasionar cárie dental e doenças gengivais”, alerta a autora do estudo.
Com esses resultados, é possível prevenir os usuários de cremes dentais contendo carvão ativado. O uso diário desse produto pode prejudicar a estrutura dental e, em vez do branqueamento desejado, causar efeitos adversos, “o que reforça a necessidade de os pacientes procurarem um cirurgião dentista antes de iniciarem qualquer tipo de tratamento odontológico, mesmo aqueles de realização caseira”, finaliza.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui