CPI da Vale Deputados visitam siderúrgica da Vale no Ceará e exigem mais prioridade ao Pará

O Pará é um estado que traz benefícios gigantescos à empresa Vale. É em solo paraense que ela desenvolve a exploração mineral na Região de Carajás, onde está localizada a maior jazida de minério de ferro do mundo.

Desde sua descoberta, em 31 de julho de 1967, o Complexo de Carajás tem contribuído para o sucesso da produção da empresa no mercado nacional e internacional, com produção de 190 milhões de toneladas no ano de 2020, segundo dados da própria empresa.

Apesar disso, a empresa tem priorizado o Estado do Ceará para fazer investimentos de grande porte no Complexo Siderúrgico do Pecém (CSP), em detrimento ao Pará. É no estado paraense que extraem a maior parte do minério de ferro processado na siderúrgica cearense, o que tem provocado questionamentos entre os deputados membros da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), na Assembleia Legislativa do Estado do Pará (Alepa).  

Além dessas questões, a verticalização da produção – o que não acontece no Pará, e a geração de emprego de mais de 60% da mão de obra local, motivaram os deputados a visitarem o complexo siderúrgico para averiguar de perto as condições e as operações.

Portanto, na sexta – feira (03.08), o deputado Eraldo Pimenta que preside a CPI, acompanhado do deputado Eliel Faustino, membro titular, estiveram no empreendimento, localizado em São Gonçalo do Amarante, no estado do Ceará. Lá, foram recebidos por Marcelo Botelho, presidente do CSP, e o gerente de logística, Marcelo Faria.  

Foto: Ozeas Santos (AID/Alepa)

Em reunião com os executivos, os deputados puderam conferir uma apresentação sobre as operações e logísticas do empreendimento, e o pátio da fábrica, onde é feito todo o processamento da matéria – prima.

O presidente do complexo, Marcelo Botelho, apresentou a trajetória da empresa, instalada desde 2016, mas os estudos sobre a viabilidade iniciaram em 1995.  

Foto: Ozeas Santos (AID/Alepa)

De acordo com o executivo, o Pecém é formado por uma joint venture pelo Governo do Ceará e pelo Porto de Roterdã, na Holanda, que constituem o complexo industrial e portuário do Pecém, com condição geográfica privilegiada, tendo em vista que o porto possui a menor distância entre o Brasil e regiões estratégicas como os Estados Unidos, Europa e capacidade para receber navios de até 330 metros de comprimento, com calado de até 15,3 metros.

Foto: Ozeas Santos (AID/Alepa)

“O governo elegeu aqui para ser um polo, é uma política de estado. Esse é o principal motivo. Em todo o investimento, o efeito que se busca é a continuidade e o estado está junto nessa equação”, afirmou.

Foto: Ozeas Santos (AID/Alepa)

A Companhia Siderúrgica do Pecém é uma binacional, constituída pela brasileira Vale que detém 50% do capital, com participação de 50% das ações de empresas sul-coreanas Dongkuk (30%), maior compradora mundial de placas de aço; e Posco (20%), 4ª maior siderúrgica do mundo e a primeira na Coréia do Sul. Os investimentos são da ordem de US$ 5,4 bilhões, sendo a CSP a primeira usina integrada no Nordeste e a trigésima instalada no Brasil.

De todo material processado no pátio da CSP, dois terços são minérios provenientes de Carajás, enquanto a região sudeste contribui com apenas um terço (Minas Gerais e Espírito Santo).

Foto: Ozeas Santos (AID/Alepa)

Em termos de geração de operacionalidade, o minério de ferro do Pará representa com 2,8 milhões de toneladas/ano, e o sudeste com a parcela de 1,1 milhão de toneladas por ano.

A explicação para a essa mistura com minérios das duas regiões, segundo Marcelo Botelho, é que “o minério paraense possui alto teor de alumina, e o do sudeste, contém alto teor de sílica, e a junção dos dois forma uma composição de homogeneidade que gera excelentes resultados para atender o mercado nacional e internacional, tendo como principais compradores as indústrias automotivas, eletroeletrônicos e indústria pesada”, disse.     

Mas para os deputados paraenses que esperam há pelo menos 10 anos pela promessa de construção da Aços Laminados do Pará – a Alpa – em Marabá, uma antiga promessa da mineradora Vale, a empresa poderia priorizar mais investimentos de grande porte na região,

“A gente se pergunta porque esses investimentos dessa envergadura não estão no Estado do Pará, que na realidade é a principal fornecedora da maior parte do minério que eles utilizam para fazer o chamado ferro – gusa, fazendo assim, uma exportação desse produto no Ceará, sendo que a maior parte vem do Pará”, argumentou, Eraldo Pimenta.

“Na realidade a gente vê que os lucros obtidos pela Vale no Pará, garante   condição e possibilidades de promover incentivos e trazer investidores para o nosso estado. Se teve a atração de coreanos para o Pecém, por que não ao estado do Pará?”, indaga o parlamentar.Foto: Ozeas Santos (AID/Alepa) 

O Pecém possui 5.500 funcionários, sendo que desse total, 2.532 são cearenses, o que representa 61% do total de mão de obra local. Para o deputado Eliel Faustino, a contratação de empregados locais, é um diferencial que poderia ser praticado no Pará.

“Estamos observando que a Companhia Siderúrgica do Pecém trabalha gerando emprego, onde 61% de sua mão de obra são de cearenses. Então, para nós paraenses, ficamos com o mesmo desejo de que a empresa verticalize a produção para que possa gerar emprego dentro do nosso estado, e que isso seja um retorno em função da exploração minerária”, concluiu.

Deliberações

Na próxima semana, a CPI vai convocar novos executivos para comparecem às oitivas para prestarem depoimentos.

A CPI

Instalada no dia 26 de maio deste ano, a CPI tem como finalidade, apurar entre outras questões, a concessão de incentivos fiscais à empresa, o suposto descumprimento de condicionantes ambientais pela Vale, a ausência de segurança em barragens, se houve repasses incorretos de recursos aos municípios e o cadastro geral dos processos minerários existentes na região.