CBF oferece projeto social sobre arbitragem para crianças

Objetivo principal do projeto é ensinar sobre o respeito

lAlunos do projeto “Gol do Brasil” participaram de atividades que integram o novo projeto da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), o “Apitinho de Ouro”. A iniciativa prevê oportunizar crianças e jovens, de ambos os gêneros, um trabalho específico sobre o árbitro e a arbitragem. A programação foi realizada iniciou na terça-feira (19) e 20), e contou com a participação de 50 alunos, no Centro da Juventude (Ceju), em Belém.

“O projeto tem como grande objetivo ensinar para as crianças o respeito. Ensinar sobre o respeito das regras do jogo, aos árbitros, aos atletas, respeito com os pais e professores é o eixo central da metodologia. E a outra questão é as regras básicas da arbitragem”, explica Diogo Netto, gerente de desenvolvimento técnico, responsabilidade social e sustentabilidade da CBF.

No primeiro momento, os participantes ganharam apitos, bandeiras e os cartões vermelho e amarelo utilizados pela arbitragem durante os jogos. De forma lúdica e simples, os profissionais transmitiram conhecimentos básicos sobre a arbitragem no futebol.

A capital paraense é a terceira cidade a receber o projeto, que já passou por São Paulo e Fortaleza.  O secretário de Esporte e Lazer, Arlindo Silva, reforçou a importância da parceria com a CBF. “Nossa cidade já é contemplada pelo Gol do Brasil, que abre portas para nossas crianças e jovens.

A partir dessa parceria com a CBF, esses alunos ganharam novas perspectivas de vida, sendo protagonistas dentro e fora de campo em um projeto que tem o futebol como meio para promover o desenvolvimento social”, conta.

Com a presença do instrutor do projeto Marcio Verri e o árbitro da FIFA Dewson Freitas, se mostraram entusiasmados ao final da experiência. “O Apitinho de Ouro chegou para engrandecer o Gol do Brasil, e é muito importante eles aprenderem sobre as regras do futebol, pois muito não tem esse conhecimento e também para que possam adquirir essa conscientização e o respeito para com o profissional, e isso se torna mais eficaz quando é formado na base, durante o crescimento da criança”, ressalta Dewson Freitas.

Maria Ester, 10 anos, aprovou o projeto, “eu gostei muito do que foi ensinado aqui, achei superinteressante. Aprendi coisas que não sabia no futebol. Foi uma novidade para mim, amei”, conta a aluna.

Os participantes além de aprender sobre sinalizar impedimentos, faltas e laterais, utilizando as bandeirinhas, eles irão ter a oportunidade de realizar uma apresentação na partida entre Paysandu e Cuiabá, nesta quarta-feira (20), às 21h, no Estádio Olímpico do Pará (EOP), o Mangueirão, válido pelo título da Copa Verde 2019.