Com as restrições necessárias à prevenção do Covid-19 e o acesso limitado à Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), a equipe responsável pelo Canil Gatil da universidade iniciou uma campanha, para que os animais que ainda estavam na UFRA não ficassem desassistidos, e a equipe responsável pudesse permanecer em isolamento. Ao todo, 21 animais precisavam de lar temporário, ou, se possível, de uma nova família.

Esse foi o caso do Dudu, um cãozinho de 09 meses encaminhado para a casa da Giovana Miranda, aluna de zootecnia da UFRA. Com a rotina atribulada e tendo que passar praticamente o dia todo na universidade, Giovana só via a possibilidade de ser lar temporário, enquanto as aulas estão suspensas. “Eu tinha feito um acordo com minha família que seria apenas durante o período do isolamento, porque no fim eu teria de voltar para a minha rotina, em que saio de casa às 07h e só retorno às 20 horas. O tempo todo eu fiquei em busca de lares que pudessem adotar o Dudu assim que o isolamento acabasse, pois me entristecia muito a possibilidade de não conseguir um lar definitivo e ele ter que voltar para o canil e ter a vida dele mais uma vez virada de cabeça pra baixo”, diz.

No entanto, a alegria, o carinho e o companheirismo de Dudu fizeram com que a busca não demorasse tanto. “Nos apegarmos totalmente ao Dudu, inclusive, a iniciativa de adoção partiu de minha mãe, que teve uma aproximação muito rápida, e pediu que eu parasse de procurar um lar definitivo, porque a partir daquele momento ele já era nosso”, comemora.

E o Dudu, que desde dezembro do ano passado procurava uma nova família, finalmente encontrou um lar. “O Dudu é o cãozinho mais inocente e obediente que já tivemos, a mansidão dele contou positivamente para melhorar nossa convivência, principalmente pelo fato de eu ter uma família grande, ele se deu bem com todos. O maior obstáculo esteve na aproximação dele com minha outra cadela, mas essas diferenças são superadas todos os dias, o ciúme ainda acontece, mas eles não se incomodam com a presença um do outro, brincam demais, adoram correr pela casa e pelo quintal. Na minha vida, mudou tudo, agora tenho dois motivos para ser mais feliz, me sentir mais especial”.

Dos 21 animais que foram para o lar temporário, até agora, além de Dudu, 08 gatos também ganharam um novo lar, e uma família que passou de temporária à definitiva. “Adotar é muito gratificante, tanto para nós que adotamos quanto para o animalzinho. somos extremamente felizes, e isso inspira outras pessoas a tomarem essa iniciativa. O que muda é que nesse caso agora é tudo em dobro, alegria em dobro, amor em dobro, trabalho em dobro, mas isso é o mínimo perto das incríveis experiências que vivenciamos quando adotamos”, diz.

Em tempos de falta de informação e fake news sobre transmissão do coronavíus é importante lembrar que o vírus que acomete cães e gatos não é o mesmo dos humanos, e não pode ser transmitido entre ambos (leia mais sobre o assunto aqui https://bit.ly/2wnk7T8 ). O biotério Canil/Gatil da Ufra não é abrigo, e não recebe ou resgata animais. O abandono de animais é crime e está previsto no artigo 32 da lei 9.605/98. A pena é de três meses a um ano de detenção e multa.