Aumenta procura por cursos profissionalizantes; confira características dessa formação

 O número de matrículas em cursos profissionalizantes cresceu 0,6% no último, conforme aponta o Censo Escolar da Educação Básica, elaborado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). No ano passado, foram registradas 1.914.749 matrículas no país. Apesar do avanço, o número ainda é inferior ao de outros países como a Alemanha.

Uma das razões que justificam a busca por cursos desse tipo é o aumento do desemprego, já que os cursos profissionalizantes podem ser concluídos em menor espaço de tempo (em relação a uma graduação, por exemplo), eles acabam sendo uma melhor opção para conseguir um rápido retorno ao mercado de trabalho.

Por meio de um curso profissionalizante é possível seguir carreira em uma área sem o ensino superior, se profissionalizar e atualizar os conhecimentos para se inserir no mercado de trabalho. Dentre os cursos profissionalizantes que estão em alta no Brasil, destacam-se:

-Ajudante de laboratório

-Confeitaria

-Eletricista

-Atendimento e Recepção em Hotelaria

– Informática

-Marcenaria

– Cozinheiro

Duração dos cursos profissionalizantes

Como os conteúdos são voltados para a prática, os cursos profissionalizantes têm duração média de um a dois anos. Contudo, independentemente do tempo de cada curso, todos possuem grade curricular elaborada pelas empresas, a fim de garantir a sintonia entre os estudantes que entram no mercado de trabalho e as corporações.

Os cursos profissionais são comumente indicados para quem quer conseguir o primeiro emprego, assim como para quem já tem experiência e quer mudar de área. Em alguns casos, a remuneração das profissões técnicas pode ser maior do que as de ensino superior.

Curso profissionalizante x graduação

O que diferencia um curso profissionalizante de uma graduação são o foco na área de atuação, o tempo de formação e o nível de escolaridade.

Para começar uma graduação o estudante precisa ter concluído o ensino médio. Já o curso profissionalizante dispensa essa exigência.

Além disso, para fazer faculdade é preciso prestar vestibular ou fazer o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o que não é necessário para o curso profissionalizante.

Outro quesito que deve ser levado em consideração na escolha é o tempo de duração de cada curso. Enquanto é possível concluir um curso profissionalizante em até dois anos, na faculdade o período de formação é a partir de quatro anos.

Outra diferença está na abordagem dos conteúdos. Na graduação, o foco é abrangente e dividido entre teórico e prático. Na profissionalização, as aulas costumam ser mais práticas com foco no mercado de trabalho.

Bolsas de estudo para cursos profissionalizantes

Uma das maiores diferenças entre o curso profissionalizante e a graduação está no preço. As mensalidades de uma faculdade nem sempre são acessíveis para todos os estudantes. Nessa comparação, os cursos profissionalizantes são mais procurados por terem preços mais baixos. É possível fazer um curso profissionalizante pagando R$24, por exemplo, em cursos on-line com bolsas de estudo do Educa Mais Brasil.

Se o interesse é mesmo a graduação, também é possível economizar na mensalidade por meio de bolsas de estudo para o ensino superior oferecidos por programas de inclusão educacional.

 

Fonte: Agência Educa Mais Brasil