Alunos do SESI de Ananindeua desenvolveram chapas de garrafa pet que impedem infiltrações

Alunos SESI Ananindeua.

Alunos da robótica do SESI de Ananindeua desenvolveram uma manta impermeabilizante de garrafas pet para solucionar o problema das infiltrações em casas e prédios do município. A ideia inovadora será apresentada durante o Torneio SESI de Robótica FIRST Lego League (FLL), que ocorrerá em março, em São Paulo.
O projeto foi idealizado, inicialmente, a partir das infiltrações existentes no prédio da própria escola. Por ser uma área intertropical, com alto volume de chuvas e alta umidade, casas e prédios de Ananindeua sofrem com esse tipo de problema.

“O projeto da equipe envolve a confecção de uma manta impermeabilizante feita de garrafa pet, para ser colocada dentro da laje, entre o concreto, o que impede que a água passe”, explica o professor e técnico da “Born To Fight”, Izaias Pinheiro.  “Por ser de garrafa pet, a manta tem uma duração muito grande na natureza”, completa.

A estudante e mentora da equipe Lívia Lima, de 14 anos, conta que, mesmo com os vários programas e sistemas que o SESI tinha para amenizar o problema da infiltração, as soluções eram apenas “paliativas”. “A nossa manta impermeabilizante atuaria no momento da construção da laje, da parede”, afirma. As garrafas pet utilizadas para a confecção da manta foram arrecadadas na própria escola, com o apoio de outras turmas. “Foi muito legal ver a participação das crianças e adolescentes nesse processo”, orgulha-se a jovem.

Durante o processo de confecção e testes, Lívia detalha que ela e os colegas pegaram a parte mais plana da garrafa e recortaram, colocando o material entre duas folhas de papel A4. Depois, passaram um ferro quente para testar a resistência. “Vimos que ficavam algumas bolhas. Pensamos que poderia ser um problema, mas, testando nosso protótipo, vimos que, na verdade, isso resolve nosso problema, pois dá aderência ao concreto”, revela.

Segundo o técnico Izaias Pinheiro, a equipe “Born To Fight”, composta pelos alunos Arthur Souza (14), Eduardo Rosa (14), Sofia de Paula (16), Nikolly Rosa (17), Sofia de Mesquita (16) e Lívia Lima (14), teve o apoio de profissionais do setor de Engenharia de Compras e de professores especializados da Universidade Federal do Pará (UFPA) para elaborar a manta impermeabilizante. “Ainda precisamos de alguns testes laboratoriais, mas algumas provas iniciais já mostraram que o material é bem-sucedido”, garante Pinheiro.

Fonte: Agência do Rádio