“A felicidade não depende do que nos falta, mas sim do bom uso do que temos.”

Por: agrandeartedeserfeliz.com

Por Jean Claud Pinheiro

Permita-se, a cada nova aurora, editar uma versão melhorada de si mesmo. A vida é formada por duas linhas, uma horizontal e a outra vertical, desenhando uma cruz, individualizada para cada um de nós.

A linha horizontal possui começo, meio e fim. Essa linha acompanha os processos vitais do nascimento, crescimento, reprodução, envelhecimento e morte. Nela, desfrutamos os prazeres e os dissabores da vida. Mesmo que não se queira viver, a linha horizontal continuará correndo mecanicamente. Simplesmente é preciso viver! Nesta linha, o trajeto é sempre adiante. Não é possível voltar ao passado (apenas em recordações), nem avançar para o futuro (apenas em suposições).

Na linha vertical, escalonam-se os níveis de nosso ser. Nessa linha, ativamos a consciência, entramos em contato com o divino que habita em cada um de nós. Nela, temos liberdade de movimento. Mas a movimentação não ocorre mecanicamente, como na linha horizontal: acontece por meio da auto-observação, do autoentendimento, do conhecer a si mesmo, do adentrar em seu próprio íntimo, do decifrar a sua fórmula matemática, do ser pleno neste exato momento.

Esta linha registra o nosso inventário psicológico, por meio do qual podemos identificar aspectos nos quais devemos melhorar (nossos erros recorrentes, vícios e defeitos psicológicos); aqueles que devemos potencializar (nossas qualidades e pontos luminosos) e muitas características a serem conquistadas (novas faculdades e virtudes). Vivenciar esta linha, de fato, exige dedicação integral.

É necessário, diariamente, dialogar com nosso próprio ser, dissecar o mim mesmo e para isso temos que aceitar e encarar todos os elementos espinhosos e indesejáveis que carregamos em nosso interior: a inveja, a preguiça, a cobiça, a insegurança, a ansiedade, o orgulho, a vaidade excessiva, o maldizer, a fofoca, o ciúme descontrolado, a luxúria, os julgamentos, os preconceitos, dentre outros. Se não mudarmos internamente, as circunstâncias externas também não mudarão.

O filósofo e historiador David Hume sabiamente disse: a beleza não é uma qualidade inerente às coisas. Ela existe apenas na mente de quem as contempla.
Trabalhando contínua e progressivamente a nossa linha vertical, podemos tornar as experiências na linha horizontal mais leves, sem nos identificar tanto com tudo aquilo que trás peso a nossa vida e torna a jornada tão árdua.

Cada um de nós carrega as causas de seus sofrimentos particulares dentro de si e, enquanto essas causas não forem compreendidas e enfrentadas, os sofrimentos tampouco se dissolverão; todo efeito tem sua causa, toda causa reflete um efeito. Não podemos permitir que os sofrimentos nos impeçam de viver em plenitude o momento presente.
Lembrei-me da seguinte colocação do poeta Thomas Hardy: a felicidade não depende do que nos falta, mas sim do bom uso do que temos.

É necessário treinar a mente e o olhar para valorizar aquilo que temos e as pessoas que estão dispostas a nos acompanhar e acolher, planejando como alcançar novas conquistas.
Decifre-se, reescreva-se, reinvente-se, esforce-se incansavelmente para elevar o seu nível de ser! Permita-se, a cada nova aurora, editar uma versão melhorada de si mesmo.

The post “A felicidade não depende do que nos falta, mas sim do bom uso do que temos.” appeared first on A Grande Arte De Ser Feliz.

A Grande Arte De Ser Feliz