A Evolução explica por que você precisa de espaço pessoal durante o bloqueio

Os seres humanos são criaturas intensamente sociais. Todos nós precisamos de contato social e empresarial. Mas para muitos de nós, ficar em casa por longos períodos com um pequeno grupo de pessoas – mesmo aqueles que mais amamos – pode se tornar frustrante.

Uma chave para entender por que o contato constante com nossa família é tão incomum vem da observação de como os grupos sociais trabalham em outras espécies de primatas.

Normalmente, a interação de um primata com os outros é muito bem equilibrada. Nem nossos ancestrais antes do Homo sapiens nem nossos parentes próximos, como chimpanzés e bonobos, costumavam viver em ambientes sociais fixos e imutáveis. Em vez disso, seus grupos sociais naturais são flexíveis, o que lhes dá espaço e tempo para mudar suas interações em curtos períodos de tempo.

Esses tipos de grupos, que são mais complexos que os de muitos mamíferos, são chamados de sociedades de vários níveis ou “fusão de fissão”. Eles consistem em um grupo abrangente que se divide e depois se reúne a cada hora, diariamente ou semanalmente.

Os subgrupos podem variar em composição, com indivíduos indo e vindo. A distância em que eles se afastam pode variar, assim como a duração dos subgrupos. Alguns, como grupos de mães e filhos, podem durar anos. Outros têm vida muito mais curta e refletem alianças, desavenças e amizades que mudam rapidamente.

Isso é semelhante aos grupos de amizade humana, alguns dos quais duram a vida inteira e outros apenas a curta duração de um feriado.

Espaço para respirar
Os zoológicos precisam entender a importância de fornecer aos animais em cativeiro ambientes sociais apropriados para que eles prosperem. Em macacos e macacos, padrões de comportamento perturbadores que resultam em comportamento psicótico têm sido um tópico de pesquisa há mais de 30 anos. A partir disso, parece claro que a necessidade de espaço pessoal e o desejo de ter controle sobre a intensidade e a frequência de nosso contato com nossas famílias não são exclusivas dos seres humanos.

Viver em grupos sociais é uma estratégia fundamental de sobrevivência para primatas e é uma das razões pelas quais é tão difícil proporcionar aos grandes símios bons lares em cativeiro.

Enquanto isso, os humanos modernos costumam ter a liberdade de dividir suas casas em vários quartos e usar outros espaços para trabalho e lazer. Isso nos ajuda (em circunstâncias normais) a ter uma mistura de privacidade, companhia e tempo para a família. Em um bloqueio, é claro, temos muito menos liberdade. As relações sociais que normalmente são mantidas por meio de uma combinação de intensa interação e períodos de separação – enquanto as crianças frequentam a escola e os adultos vão trabalhar – agora existem em estreita proximidade a longo prazo.

Os seres humanos também têm as redes sociais mais flexíveis e variáveis ​​de qualquer espécie de primata. Nossos grupos sociais de aproximadamente 150 indivíduos incluem “círculos” de tamanhos previsíveis de pessoas sucessivamente mais próximas. E, diferentemente dos chimpanzés, não temos limites firmes para nossos grupos.

Uma rede social humana não é uma unidade clara onde qualquer indivíduo está dentro ou fora. Em vez disso, as fronteiras são fluidas e, nas bordas, novas pessoas entram quando outras saem. Bonobos têm uma abordagem semelhante.

Cada uma das nossas redes sociais também se sobrepõe em diferentes graus com as outras. Um amigo que definitivamente faz parte da minha rede terá sua própria rede que se sobrepõe à minha em maior grau do que um conhecido distante.

Para os caçadores-coletores humanos, esse tipo de estrutura de rede – com laços estreitos e distantes e conexões sem sobreposição entre membros da mesma tribo – é vital para a sobrevivência. Em momentos de estresse extremo, como uma seca séria, ter um ou dois contatos longe dá a você um lugar para ir se você não puder ficar em casa.

Um grupo doméstico pode se separar por uma temporada, com cada família indo para seus amigos distantes e voltar quando as condições melhorarem. O grupo pode fazer isso sem perder sua identidade geral. Isso também pode ajudar em momentos de conflito social, permitindo que o tempo necessário seja esfriado.

Em essência, embora tenhamos evoluído para ser muito sociáveis, estamos acostumados (cultural e evolutivamente) a redes sociais flexíveis que nos dão espaço pessoal para gerenciar nossas vidas e relacionamentos. Tanto o isolamento quanto a proximidade excessiva das mesmas pessoas podem ser prejudiciais à nossa saúde mental.

Há esperança, no entanto. Os seres humanos são criaturas resilientes que encontrarão estratégias para obter uma sensação de espaço pessoal durante o bloqueio, seja por meio da tecnologia moderna ou por um simples passeio solitário.

Negociar maneiras de cada indivíduo em uma família controlar sua necessidade natural de espaço pessoal, pelo menos em parte do tempo, é fundamental. Saber que seu tempo pessoal será respeitado pode ajudar a aliviar a tensão da sociabilidade forçada.