9ª Feira do Empreendedor

Belém se transformou na capital do empreendedorismo no Brasil, durante a 9ª Feira do Empreendedor, com o tema “Vem pra Feira que é negócio” – maior evento de empreendedorismo do Norte do País – realização do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae/Pa), no Hangar Convenções e Feiras da Amazônia.

A abertura contou com a presença do presidente da Companhia de Desenvolvimento Econômico do Pará (Codec), Fábio Lúcio Costa, que representou o governador Simão Jatene; do ministro do Meio Ambiente, Edson Duarte; do presidente Nacional do Sebrae, Afif Domingos; do prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, e do diretor-superintendente do Sebrae, Fabrizio Guaglianone e outras autoridades, autoridades, empresários,  micro empresários e muitos interessados em abertura e em geração de negócios.

Micro e pequenas empresas constituem 96% dos empreendimentos no estado do Pará e respondem por 51% dos empregos no Estado. A importância econômica deste setor é o grande motor da 9ª Feira do Empreendedor – uma grande vitrine de projetos e resultados do Sebrae em todo o Brasil, em um circuito que ocorre todos os anos e é o maior evento de empreendedorismo do Norte do País

Na ocasião foi assinado um termo de compromisso para a instalação de uma nova empresa em solo paraense, a Agropecuária Aranha, do setor de piscicultura, que vai instalar em breve seu primeiro empreendimento no município de Cachoeira do Arari, na Ilha do Marajó.

Com previsão de início das operações no próximo ano, a expectativa, além da movimentação do mercado local, é de aumento da oferta de produtos derivados da piscicultura comercial. A empresa já está pleiteando licenças ambientais junto à Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), com o auxílio da Codec.

Para Fábio Lúcio, a desburocratização é um dos elementos que podem fortalecer mais este importante setor da economia. “Se o setor fosse mais livre geraria mais empregos, mais renda. Essa é a política social mais importante que deve ser levada em frente no Brasil e o Sebrae tem sido um importante parceiro no Estado do Pará”, enfatizou.

O ministro Edson Duarte assinou o termo de compromisso para o Projeto de Atuação Conjunta entre o Ministério do Meio Ambiente (MMA) e Sebrae Nacional. O termo prevê a realização de ações conjuntas para a promoção do desenvolvimento, regularização e fortalecimento de microempreendedores individuais, microempresas e empresas de pequeno porte, em especial quanto à simplificação, racionalização e uniformização de requisitos ambientais no processo de licenciamento empresarial.

Afif Domingos destacou que a Feira do Empreendedor do Pará é a segunda maior depois de São Paulo, o estado mais rico do País. Para ele, a geração de emprego e renda é a verdadeira política social do Brasil e neste ponto as micro e pequenas empresas são as responsáveis pela maior geração de empregos no Brasil.

Ele comenta que as grandes empresas que têm acesso a financiamento e pesquisa estão indo em direção à automação da produção e empregando cada vez menos. “Quem está levando o País na costa é o micro e pequeno empresário”, ressaltou.

Fernando Yamada, presidente do Conselho Deliberativo Estadual do Sebrae, disse que a Feira tem como foco total o empreendedor paraense, seja ele individual ou de pequeno porte. “Só é possível gerar riqueza e garantir a empregabilidade criando um ambiente de negócios que colocasse o empreendedor no tema dessa gestão”, afirmou Fernando Yamada.

O prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, assinou durante a abertura da Feira , os Decretos 91.254 e 91.255,que regulamentam o tratamento diferenciado às microempresas (ME), empresas de pequeno porte (EPP), agricultores familiares, produtores rurais pessoa física, microempreendedores individuais (MEI) e sociedades cooperativas de consumo nas contratações públicas de bens, serviços e obras; além da função de agente de desenvolvimento e da Sala do Empreendedor. Para o prefeito, a assinatura do acordo com o Ministério do Meio Ambiente e o Sebrae é muito representativa, já que Belém possui uma grande biodiversidade, 39 ilhas, áreas florestais e atividade econômica preponderante a de serviços alavancada pelas micro e pequenas empresas. “Belém possui uma identidade natural com o meio ambiente e o pequeno negócio, que geram renda e desenvolvimento humano para a região”, comentou.

O presidente da Codec, comentou que o Governo do Estado, junto com o Sebrae, tem notado um crescimento da vontade da população em ter seu próprio negócio. “É através do desenvolvimento e do emprego que a gente pode melhorar a segurança, a educação e a saúde, trazendo mais dignidade à população”.

A abertura contou com a apresentação da Orquestra de Percussão Pro Paz. O diferencial da orquestra é a utilização de materiais recicláveis na criação dos instrumentos de percussão, oferecendo cultura e arte para os jovens que moram em áreas consideradas de risco, além de promover a sustentabilidade na criação de novos instrumentos musicais. Atualmente o grupo conta com 70 alunos, entre crianças e jovens de 13 a 17 anos.

A Feira do Empreendedor, ocorreu em uma área de 8.500m² de exposições, mas os espaços 12 salas de aula e cinco auditórios, com um público de cerca de mais de 30 mil pessoas e de mais de R$ 30 milhões em geração de negócios.

O evento

Para o diretor-superintendente do Sebrae no Pará, Fabrizio Guaglianone, a Feira pretende fomentar a criação de um ambiente favorável para a geração de oportunidades de negócio e estimular o surgimento, a ampliação e a diversificação de empreendimentos sustentáveis, além de difundir o empreendedorismo. Ele ainda ressaltou que o relacionamento empresarial, oportunidade de negócios e capacitação são os três pilares da Feira.

A programação ofereceu oportunidades de negócios, com foco no mercado, casos de sucesso empresarial, e-commerce, tecnologias e modelos de negócios e mais de 300 eventos de capacitação, totalizando 32 mil vagas, tanto para quem já tem seu negócio como para futuros empreendedores.

O público se encantava com variedade de expositores, oficinas, workshops e palestras que estavam sendo oferecidas ao público, proferidas por personalidades renomadas do mundo dos negócios e do empreendedorismo.

O ministro do Meio Ambiente, Edson Duarte, falou sobre a Campanha Nacional de Desperdício de Alimentos, que precisa ser trabalhado com os microempreendedores. “Um terço de tudo o que nós consumimos está indo para a lata do lixo,

isso é muito grave e sério. E trabalhar essa questão com os microempreendedores e os municípios se torna uma maneira estratégica de resolver o problema. O Sebrae será um grande parceiro, fornecendo o licenciamento local e facilitando a vida do peque no empreendedor que precisa do apoio local, já que ele pode ser um agente transformador para o meio ambiente, ele precisa ter as condições adequadas para trabalhar”, disse o ministro.

Turismo    

N a abertura do Seminário Gestão de Destinos Turísticos Empreendedores será feita por representantes do Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio a Micro e Pequenas Empresas) e Setur, seguida pelas apresentações “Turismo – Destino, Produto e Mercado”, pela coordenadora-geral de Produtos Turísticos do Ministério do Turismo, Carolina Fávero de Souza, e “Rota Turística – Estrada Real”, por Denise Nicolini, do Instituto Estrada Real (MG).

AindNa oportunidade foi assinado o Protocolo de Intenções entre Setur e BioTec-Amazônia. Com o  objetivo de viabilizar ações científica, educacional, turística e cultural, destinadas ao desenvolvimento de capacitação, pesquisa e extensão em áreas de interesse comum das duas instituições, e execução de projetos, estudos e pesquisas, notadamente nas áreas de gastronomia, nutrição, tecnologia de alimentos e ciências afins.

O secretário-adjunto de Turismo, Joy Colares, falou sobre “A importância da formalização para empreendimentos turísticos”; a diretora da Setur, Fátima Gonçalves, apresentou o Programa de Regionalização do Turismo (PRT); o presidente do Conselho Municipal de Turismo (Comtur), de Mato Grosso do Sul, Cícero Ramos Peralta, abordou o “Modelo de Gestão do Conselho Municipal de Turismo de Bonito/MS – Um caso de sucesso”, e o presidente do Belém Convention and Visitors Bureau (BCVB), Cezar Coimbra, encerrou, com o tema “Organização Institucional de Sucesso”.

Rodada de Negócios Internacional

A geração de negócios foi a prioridade da Feira do Empreendedor 2018, promovendo principalmente a aproximação comercial entre os empreendedores paraenses e traders de diversos países, de pequeno porte aptas para exportação, por iniciativa do Sebrae no Pará e Fiepa, com apoio do Plano Nacional Cultura Exportadora (PNCE) e Câmara Ítalo-Brasileira do Comércio, Indústria e .Agricultura (Italcam)

O presidente da Câmara Ítalo-Brasileira de Comércio, Indústria e Agricultura (Italcam), Nico Rossini, participou da rodada e ressaltou o potencial do Pará para exportação, em especial na indústria alimentícia: “Essa é a primeira vez que venho a Belém e percebo muitas oportunidades: geleias, biscoitos, produtos que sem dúvida farão sucesso na Itália e na União Europeia. É um prazer participar desta Feira, que realmente me surpreendeu positivamente”.

Encerramento

A 9ª Feira do Empreendedor, terminou com um saldo plenamente positivo: Mais de 33 mil visitantes, cerca de 95 mil participações em eventos, RS 34 milhões em volume de negócios fechados antes do final da Feira e RS 78 milhões de negócios previstos no período pós-feira.

Na edição anterior da Feira, em 2016, foram registrados 29.931 inscritos, com 25.507 visitantes e 22.433 deles participando de capacitações. A Feira de 2016 teve 33 milhões em volume de negócios, de acordo com pesquisa realizada três meses após o evento para apurar os resultados efetivados no pós-feira.

Nessa edição de 2018, a expectativa do Sebrae era de 30 mil visitantes e aproximadamente RS 33 milhões em geração de negócios. Mas já nos dois primeiros dias, a 9ª edição, alcançou 45 mil inscritos, de cidades do Pará e até de outros estados do Brasil. “O mais importante é que a Feira teve um público realmente interessado em criar formas de gerar renda só repercute positivamente em toda a economia do Estado. Está mais do que provado que é o pequeno negócio quem faz a economia se desenvolver”, enfatizou o presidente do Conselho Deliberativo Estadual do Sebrae no Pará, Fernando Yamada.

Para o diretor superintendente, Fabrizio Guaglianone, o maior legado da Feira foi o clima de boas expectativas que o evento conseguiu criar na sociedade paraense. “Esse clima sensibilizou toda a nossa equipe e o público. Temos certeza que quem veio à Feira saiu daqui motivado, cheio de boas ideias para empreender e começar a gerar emprego e renda”, externou Fabrizio.

A coordenadora da Feira, Renata Rodrigues, agradeceu a todos os colaboradores do Sebrae no Pará, parceiros e patrocinadores do evento, como o Banco Santander, à Caixa, ao Governo do Estado e à Fiepa. Em quatro dias de Feira, foram realizados mais de 300 eventos de capacitação, entre palestras, oficinas, workshops, seminários, painéis e palestras, além de o evento ter contado com encontros e rodadas de negócios nacionais e internacionais.

Balanço/Legado

“A gente vê as pessoas felizes em estarem buscando informação e saindo satisfeitas com as informações que recebem, buscando, de fato, empreender em nosso Estado. Acho que a gente conseguiu disseminar o espírito de empreendedorismo através da Feira”, afirmou  Fabrizio Guaglianone. Somente nos dois primeiros dias, o evento já havia gerado quase RS 16 milhões em novos negócios. “O astral da Feira foi muito positivo. E isso vai, sem dúvida nenhuma, plantar uma semente muito positiva na sociedade paraense, para que empreenda e transforme suas vidas, através de uma pequena empresa. A palestra do Roberto Justus, na sexta-feira, superou a casa de 2.700 pessoas assistindo. Todas as nossas metas já foram superadas em relação a 2016. O conteúdo técnico foi muito fortalecido”, arrematou Guaglianone.

Para o diretor-superintendente do Sebrae/PA, Fabrizio Guaglianone, o maior legado da Feira foi o clima de boas expectativas que o evento conseguiu criar na sociedade paraense, disse o diretor-superintendente do Sebrae/PA

Fotos: Alessandra Serrão/NID Comus, Ascom Sectec, Rodolfo Oliveira / Ag. Pará