Setúbal – uma cidade sadina

Setúbal, orgulha-se de integrar o Clube das Mais Belas Baías do MundoSetúbal, é uma cidade distante de Lisboa apenas 195 km. Tem acessos fáceis por rodovia, que pode ser em carro particular, assim como os ônibus da linha; se optar pela via marítima tem os barcos que atravessam o Rio Tejo, partindo do Cais do Sodré e do Terreiro do Paço, e ainda o trem que sai de várias estações lisboetas, de hora em hora, com destino a bonita Setúbal.  

Banhada pelo rio Sado, abraçada pela Serra da Arrábida, orgulha-se de integrar o Clube das Mais Belas Baías do Mundo. Seus descendentes são conhecidos por sadinos. Possui muitas praias com bandeira azul, sinal de que os frequentadores podem usufruir as delícias das águas, sem preocupação.

Detentora de rico patrimônio histórico está no topo de uma das cidades mais visitadas em todas as estações do ano.

A Fortaleza de São Filipe desenhada por Filipe Terzo, construída entre 1582 a 1594, teve a sua obra iniciada com a presença de D. Filipe II. Possui uma pequena capela chamada São Filipe cujo interior é totalmente revestido de azulejos nas cores azul e branco, mostrando cenas da vida desse apóstolo, assinadas e datadas por Policarpo de Oliveira Bernardes, do ano de 1736.

O Pelourinho constituído por uma coluna coríntia de mármore branco com veios escuros, inicialmente esteve na Antiga Praça da Ribeira. Abalado com o terremoto de 1755 foi reconstituído sob as ordens de Sebastião José de Melo, o Marquês de Pombal, e transferido para o Largo da Fonte Nova em 1774. Posteriormente, foi colocado na Praça Marquês de Pombal, onde permanece.

Documentos dão conta de que a localidade Nossa Senhora Anunciada foi habitada durante a Idade do Cobre, há cerca de 4500 anos. Época em que a comunidade primitiva começa a desagregar-se face o desenvolvimento da economia agro-pastoril, a introdução da metalurgia e o incremento do setor terceário.

Na altura em que surgiram as manifestações da guerra, suas populações foram obrigadas a buscar as planícies por serem os pontos mais elevados, como garantia de defesa. A primeira ocupação dá-se na Serra de São Luís, conhecida por O Pedrão, considerada autêntica fortaleza natural. A segunda foi a jazida arqueológica A Rotura, onde abunda vestígios da prática metalúrgica do cobre.

Cessadas as lutas, Pedrão fica abandonada, voltando a ser ocupada já na Idade do Ferro com a invasão do exército romano. Esta população permanece até finais do Século I – a. C, iniciando-se no Estuário do Sado, a colonização romana. Um século após os romanos criam um dos mais importantes complexos industriais: “a salga do peixe do Mediterrâneo Ocidental” que funcionavam em dois centros, um em Tróia e outro em Setúbal.

Recentemente, junto à foz do rio Sado, à margem esquerda da Ribeira da Ajuda foram encontrados nas escavações, vestígios de um estabelecimento industrial da “salga do peixe”, testemunhando a Época Romana.

A gastronomia setubalense tem o seu forte no peixe frito, cozido ou assado, além do variado cardápio constante de: Feijoada de Choco, Espetada de Tamboril, Choco Frito, Sopa do Mar, Sarda, Sardinha, Linguado e Salmonete. Os crustáceos e os moluscos também fazem as delícias dos visitantes nas iguarias de Ameijoas, Santola, Sapateira e Camarão.

Região rica em vinho tinto lutando para manter-se com qualidade no concorrido mercado mundial. Produz o afamado “Moscatel de Setúbal”, consagrado internacionalmente com vários diplomas.

A doçaria prima pelas tortas, travesseiros, bolos conventuais e o famoso queijo de Azeitão, de sabores irresistíveis.

Os cultos religiosos têm nas festividades de Nossa Senhora da Arrábida, o já tradicional círio, uma iniciativa dos pescadores e marítimos do bairro de Troia que homenageiam a sua santa protetora, em julho de cada ano.

Setúbal, além da sua rica história promove feiras de artesanato, coordena todas as modalidades de esportes nas quatro estações, organiza festivais de teatro, espetáculos musicais, patrocina o já famoso Festival Internacional de Cinema de Tróia, além de outros eventos e divertimentos que se realizam no decorrer do ano, comprovando ser uma cidade de cultura permanente e diversificada.  

*Correspondente em Portugal.

Texto: Anete Costa Ferreira

COMPARTILHAR