Review Galaxy Note 8

O Galaxy Note 8  desembarcou no Brasil há dois meses pelo preço sugerido de R$ 4,4 mil. O celular com ficha técnica mais poderosa já criada pela Samsung chama a atenção por causa do tamanho gigantesco: sua tela tem 6,3 polegadas, o que o coloca à frente numa categoria de produto – os smartphones enormes – que a companhia sul-coreana inventou, e que serviu de inspiração para outras fabricantes.

O telefone se destaca por fatores que vão além do display: câmera fotográfica e caneta eletrônica são pontos fortes do aparelho. Nas linhas a seguir, confira o review do Galaxy Note 8 e descubra qual é o cenário ideal para comprar o celular da Samsung. Com a chegada do iPhone X, mais do que nunca é preciso saber os predicados do principal rival.

Galaxy Note 8: tudo que você precisa saber antes de comprar o telefone

Tudo é a tela

Foi-se o tempo em que os celulares possuíam uma carcaça robusta, porém com tela pequenina. Pode reparar: em produtos mais recentes, o display é aquilo que mais chama a atenção e ocupa a maior parcela da região frontal do dispositivo. Para chegar a este resultado, a Samsung se livrou do botão Home mecânico, posicionado logo abaixo do display. O Note 8 utiliza botões virtuais de navegação, o que dá mais espaço para ver filmes, séries e navegar no feed do Facebook ou Instagram.

A tela de 6,3 polegadas é gigantesca e imersiva, além de contar com bordas curvas. Não poderia ser diferente: aqui temos o formato 18:9, uma novidade que apareceu na indústria neste ano, primeiro em um smartphone da LG. O display ficou mais comprido, com uma proporção que chega mais perto daquela encontrada na sala de cinema. Por isso mesmo, podemos dizer que a experiência de assistir a filmes no Note 8 é cinematográfica.

A ficha técnica do Galaxy Note 8, recheada de especificações, está no fim deste artigo. Corra para lá se você é fã das specs. Logo de cara, destaco a resolução de 2960 x 1440 pixels. Na prática, são mais de 4 milhões de pontos brilhantes de alta qualidade que auxiliam na composição das imagens.

[marca] Galaxy Note 8 (Foto: Luciana Maline/TechTudo)Botões virtuais de navegação do Galaxy Note 8 (Foto: Luciana Maline/TechTudo)

O painel em Super AMOLED é capaz de gerar cores extremamente vibrantes, que parecem sair da tela. Por outro lado, é indiscutível que os telefones da Samsung extrapolam quando o assunto é saturação das imagens: aquelas mesmas cores lindas nas cenas visualizadas a partir do novo Galaxy Note raramente são vistas da mesma maneira na natureza.

Há muita discussão sobre este tema na indústria de tecnologia, principalmente porque a Apple aposta em cores fiéis à realidade na linha de celulares mais recente (iPhone 8, iPhone 8 Plus e iPhone X). Virou uma questão de gosto.

Com milhões de pixels e uma telona, sobra espaço para aplicativos. Aqui entra a importância usar o sistema Android, criado pelo Google, porém com incrementos importantes made in Coreia do Sul. Por exemplo, a possibilidade de ajustar para que dois apps fiquem abertos simultaneamente traz avanços no já antigo conceito de multitarefa.

Jornalistas podem abrir o YouTube na janela de cima e o Twitter na janela de baixo para visualizar comentários em tempo real de uma transmissão ao vivo. Contadores podem exibir um PDF com orientações técnicas em cima e a planilha do Excel na parte de baixo. Professores podem abrir o e-book em cima e o bloco de notas do Evernote embaixo. São muitas as combinações.

Grande demais?

É necessário uma tela tão grande? Esta é a dúvida que fica, depois de passar dois meses usando o Galaxy Note 8, e antes disso ter uma experiência positiva com o Galaxy S8 (com 5,8 polegadas ou 6,2 polegadas no modelo Plus). A ergonomia entra em xeque principalmente por causa do acesso mais difícil aos botões e menus que ficam no topo da tela.

[marca] Galaxy Note 8 e Galaxy S8 (Foto: Luciana Maline/TechTudo)Galaxy Note 8 ao lado do Galaxy S8 Plus (Foto: Luciana Maline/TechTudo)

No meu caso particular, passei a sentir leves dores no polegar, o que foi diagnosticado como um princípio de tendinite, um tipo de inflamação. Não estou dizendo que é algo generalizado, e muito menos que você também vai passar por isso, mas é algo para ter no radar.

Outra desvantagem da tela grande diz respeito à resistência. Tome como exemplo o Note 8, cujo vidro tanto na parte da frente quanto na parte de trás passou pelo tratamento previsto no padrão Gorilla Glass 5 para ficar mais resistente a impactos e arranhões. Trata-se da certificação mais avançada da indústria neste quesito.

Ainda assim, o Galaxy Note 8 utilizado neste review ficou com o display rachado depois de uma queda de aproximadamente meio metro – o que normalmente seria visto como um choque inofensivo.

De acordo com Felipe Marchese, presidente da rede de assistências técnicas Conserta Smart, o display maior faz com que a área suscetível a impactos também aumente. A situação fica ainda mais complicada porque, segundo ele, o custo para trocar telas de celulares da Samsung está entre os mais caros. A título de comparação: substituir o display do Galaxy S7 (do ano passado) sai a R$ 990. O mesmo serviço, mas para o Galaxy S7 Edge, com tela de bordas curvas, fica por R$ 1.590.

[marca] Galaxy Note 8 (Foto: Luciana Maline/TechTudo)Detalhe da borda curvada do Galaxy Note 8 (Foto: Luciana Maline/TechTudo)

Também consultei a Samsung sobre a questão. A empresa disse que não há nada definitivo que comprove que as telas com bordas curvas dão mais problema que as telas planas e ressaltou que depende muito de como o Note 8 caiu no chão. No entanto, depois de anos fazendo reviews de celulares, posso afirmar com alguma tranquilidade que o cenário não é o ideal. Se você não acredita em mim, dê uma olhada nas queixas de consumidores que compraram smartphones com display curvo na plataforma Reclame Aqui.

Dual camera de 12 megapixels

O Galaxy Note 8 é o primeiro celular da Samsung com câmera dupla. Apesar do termo em inglês, parece que a versão original – dual camera – vem fazendo sucesso entre o público brasileiro. O que isso quer dizer? Na prática, o smartphone conta com duas lentes na parte de trás, cada uma com um sensor diferente dedicado a capturar as imagens.

A lente teleobjetiva é aquela que estamos acostumados a ver em todo lugar. Ela já existia nos telefones. A novidade fica por conta da grande angular, um tipo de lente que trabalho com o ângulo maior (conforme o nome sugere) para fotografar uma porção maior da cena. Sabe os belos vídeos em action cams como a GoPro? Eles se popularizaram por causa da grande angular.

Este ano de 2017 esteve repleto de celulares com câmeras fantásticas, e o Note 8 entra nesta lista. As fotos feitas com ele têm 12 megapixels. Não é nenhuma enormidade, mas foi-se o tempo em que se media a qualidade de uma câmera só pela resolução do arquivo final.

[marca] Galaxy Note 8 (Foto: Luciana Maline/TechTudo)Galaxy Note 8 tem câmera dupla de 12 MP (Foto: Luciana Maline/TechTudo)

Estamos falando de um produto que se sai bem tanto em ambientes bem iluminados quanto em condições de baixa luz, como em eventos à noite. O Note 8 tira de letra em todos estes cenários. Tão bem que, durante o período de testes, eu dispensei o uso da câmera profissional DSLR e passei a usar o smartphone para fotos em coberturas jornalísticas importantes do TechTudo, como o lançamento do rival iPhone 8 Plus ou a feira de eletrônicos de Berlim.

O Galaxy Note 8 fotografa bem de dia... (Foto: Thássius Veloso / TechTudo)O Galaxy Note 8 fotografa bem de dia… (Foto: Thássius Veloso / TechTudo)
...ou de noite (Foto: Thássius Veloso / TechTudo)…ou de noite (Foto: Thássius Veloso / TechTudo)

Se você busca um telefone que não vai te deixar na mão quando o assunto é foto, o Note 8 é uma das primeiras escolhas. Ele entrega tudo o que promete e até surpreende neste quesito. Dá até para ajustar o telefone para que ele fotografe simultaneamente com as duas lentes, e depois o usuário decide qual delas vai postar na rede social. Muito prático!

Por outro lado, os sul-coreanos ainda precisam comer feijão com o arroz quando o assunto é o recurso mais visado em dispositivos dual camera, o tal do modo retrato. Ele se popularizou quando a Apple anunciou o iPhone 7 Plus, no ano passado, e mostrou fotografias em que o personagem principal fica em destaque e o restante da cena permanece desfocado. Chamado oficialmente de efeito bokeh, ele rapidamente inundou os feeds e Stories.

O Note 8 até tenta, mas não consegue resultados satisfatórios com esta tecnologia. O problema mais comum é a dificuldade de o software compreender o contorno das pessoas, o que resulta em fotos distorcidas em que fica evidente que deu algo errado.

Foto com modo retrato do Galaxy Note 8: repare que os contornos do corpo ficam borrados, bem como parte da grama ficou desfocada e outra parte ficou focada (Foto: Thássius Veloso / TechTudo)Foto com modo retrato do Galaxy Note 8: repare que os contornos do corpo ficam borrados, bem como parte da grama ficou desfocada e outra parte ficou focada (Foto: Thássius Veloso/TechTudo)

O modo retrato funciona bem quando há bastante luz e quando a paisagem de fundo está mais distante. Por exemplo, um passeio no parque em um dia de sol, com árvores ao fundo, pode levar a belas imagens. Já em fotografias do dia a dia, como os seus familiares na cozinha, em um almoço de domingo, podem se tornar experiências traumáticas.

O iPhone 7 Plus e o iPhone 8 Plus estão mais avançados neste quesito, sem sombra de dúvida.

[marca] Galaxy Note 8 (Foto: Luciana Maline/TechTudo)Câmera de selfie do Galaxy Note 8 tem 8 MP (Foto: Luciana Maline/TechTudo)

A câmera frontal de 8 megapixels produz excelentes imagens. Não há o que criticar, até porque a abertura f/1.7 possibilita a leitura de mais luz, o que na prática torna o telefone imbatível para selfies durante a noite.

Aqui vale uma recomendação: lembre de reduzir o efeito ou desativar o modo embelezamento, pois dá na cara que o rosto passou por um processo digno de figurar entre os bonecos de cera que são a marca registrada das casas de Madame Tussauds.

A gravação de vídeos ocorre conforme o esperado, com imagens em altíssima resolução (4K) e estabilização que torna as suas filmagens menos tremidas.

Mais produtividade com a caneta eletrônica

A linha de celulares Note tem como diferencial a caneta eletrônica S-Pen – o item também é chamado de caneta stylus, uma herança dos legendários Palmtops. A safra 2017 trouxe gratas surpresas, pois o acessório ficou mais preciso e também ganhou resistência à água (acidentes acontecem e sabemos disso!).

O Note 8 possui um compartimento secreto para guardar a S-Pen, então não há a necessidade de levar o apetrecho na carteira ou no bolso. Ele se torna uma companhia interessante principalmente para profissionais que trabalham com a gestão de informação. Tomar notas manuscritas, por exemplo, possibilita rapidez ao ejetar a caneta e começar a escrever, sem a necessidade de ligar a tela ou abrir um app específico para este fim.

Talvez seja necessário algum tempo para se adaptar novamente a esta forma de escrita, mas o resultado tende a agradar. O celular até conta com um app que detecta o movimento dos traços e converte tudo em um GIF, para mandar mensagens divertidas para os amigos. A tecnologia certamente faz parte do material de marketing da Samsung. Confesso que eu usei o recurso duas ou três vezes, no máximo. De toda forma, a opção está aí.

[marca] Galaxy Note 8 (Foto: Luciana Maline/TechTudo)Galaxy Note 8 vem com caneta S-Pen resistente à água (Foto: Luciana Maline/TechTudo)

Ao retirar a caneta do compartimento, o Note 8 oferece um leque de botões virtuais. Nós destacamos a ferramenta de seleção, que facilita na hora de copiar trechos ou parágrafos inteiros do texto que está em exibição na tela. Um amigo jornalista disse que usa a função para separar informações importantes que ele lê em portais como G1 ou O Globo, e que depois precisam de uma segunda apuração. O processo de copiar e colar ficou mais fácil com a S-Pen do que naquela tentativa e erro usando os dedos para manipular a seleção.

A S-Pen também funciona bem para descobrir a tradução das coisas. Ao abrir a edição online do Süddeutsche Zeitung e constatar que os meus conhecimentos de alemão estão enferrujados, eu rapidamente saquei a caneta e selecionei com facilidade os trechos que causaram dúvida. A tecnologia da Samsung tem como base o dicionário do Google e possibilita checar tanto palavras quanto frases inteiras.

[marca] Galaxy Note 8 (Foto: Luciana Maline/TechTudo)Caneta S-Pen do Galaxy Note 8 ajuda na tradução de páginas (Foto: Luciana Maline/TechTudo)

Por fim, a S-Pen deve ser considerada por quem faz anotações em documentos que saem para revisão e por quem utiliza planilhas, visto que o risco de esbarrar em alguma célula e mudar as informações tende a ser menor.

A pergunta que fica é a seguinte: na sua atividade profissional, você acredita que a caneta eletrônica faria alguma diferença? Os benefícios desta tecnologia são reais, mas só você pode dizer se eles elevariam a sua produtividade.

Muita velocidade

O Galaxy Note tem os mais avançados componentes eletrônicos disponíveis no mercado internacional. O processador de 8 núcleos e a memória RAM de 6 GB garantem um desempenho dentro do esperado para um produto que eu coloco dentro da categoria dos supercelulares.

O sistema Android, aqui na versão 7.1.1 Nougat, continua sendo o calcanhar de Aquiles da Samsung. Por mais que a companhia se esforce para reunir o melhor hardware, às vezes o sistema criado pelo Google fica ligeiramente mais lento. Por exemplo, ao abrir o aplicativo do Twitter e na sequência tentar postar uma foto. Ao rolar por muitas imagens, as miniaturas levam alguns instantes para aparecer. Não chega a ser lento nem se passam vários segundos, mas deveria ser instantâneo.

[marca] Galaxy Note 8 (Foto: Luciana Maline/TechTudo)[marca] Galaxy Note 8 (Foto: Luciana Maline/TechTudo)

Este comportamento foi percebido em alguns momentos. Claro que está longe de ser uma questão maior, mas é digno de nota. Outros celulares Android passam pelo mesmo problema, que parece ser crônico do sistema. Recentemente, até mesmo a Apple, cujo iPhone sempre se gabou de explorar bem a combinação de hardware e software, passou a apresentar engasgos de sistema – vide o desastroso iOS 11, lançado em setembro.

O Android da Samsung, chamado de TouchWiz ou de Samsung Experience, está visualmente agradável. Os ícones todos ficaram mais bonitos e a central de ajustes ficou elegante. Neste ponto não há o que criticar. Está à frente de parte da concorrência, e em termos de apuração visual disputa bem com os mais recentes celulares Sony Xperia.

E a bateria? O quesito que no ano passado retirou do mercado o Galaxy Note 7 está presente e faz bonito: podemos dizer que dura um dia inteiro de trabalho. Nos nossos testes, o Note 8 saiu da tomada às 9 da manhã e chegou ao 0% às 11 da noite. Durante este período, a gente utilizou o aplicativo da Netflix para assistir a vídeos por 50 minutos e também reproduziu música pela Internet.

Galaxy Note 8 (Foto: Thássius Veloso/TechTudo)Tela do Galaxy Note 8 tem 6,3 polegadas (Foto: Thássius Veloso/TechTudo)

A Samsung oferece um modo de economia de economia de energia que desativa a comunicação de alguns apps com a Internet e também para alguns processos menos importantes do sistema. Somente isso dá sobrevida de mais duas horas. Caso o usuário precise de mais, ainda tem a opção de habilitar o modo drástico de economia de bateria, aquele que basicamente transforma o smartphone em um celular básico, para fazer telefonemas e consultar informações simples na rede 4G/3G/Wi-Fi.

Vale lembrar ainda que a recarga rápida garante quatro horas de uso depois que o telefone passa 15 minutos ligado no tomada. Já a recarga sem fio pode ser uma conveniência a mais: depois de comprar o acessório, basta repousar o Note 8 sobre ele para que a bateria seja abastecida novamente.

Se o Galaxy Note 8 é bom? Eis o resumo da ópera

O Galaxy Note 8 é um excelente smartphone. Ele entrega praticamente tudo o que promete: desempenho, funcionalidades extras, câmera, tela e bateria. Os engenheiros da Samsung realmente fizeram um bom trabalho e aprenderam a lição diante do fracasso do modelo do ano passado.

[marca] Galaxy Note 8 (Foto: Luciana Maline/TechTudo)Galaxy Note 8 custa a partir de R$ 4,4 mil (Foto: Luciana Maline/TechTudo)

Os fãs da linha Note e os adeptos da S-Pen certamente farão bom uso da nova geração da família, e para este público a compra é mais do que recomendada. Não seria diferente, até porque a fabricante realizou progresso em cima de uma categoria de celular muito específica (com tela grande e caneta), cujo reinado é dela faz tempo. O upgrade em relação ao Galaxy Note 5, o último vendido no Brasil, é uma decisão inteligente.

A conversa agora é com quem pensa em comprar um Note 8, mas não é necessariamente um antigo apaixonado pelos telefones da linha. Sejamos francos: este Galaxy custa caro, com preço na casa dos R$ 4,4 mil. Por isso, a nossa indicação do modelo vai para quem realmente pensa em dar um gás na produtividade e pretende usar o smartphone como ferramenta de trabalho. A S-Pen traz uma enxurrada de novas funcionalidades.

Se este não é o seu caso, pode ser uma boa ideia checar o nosso review do Galaxy S8. Lançamento do primeiro semestre, o telefone da linha S não tem todas as possibilidades de produtividade da S-Pen, mas entrega desempenho igualmente excelente. Dá até para escolher entre o modelo menor, o Galaxy S8 com 5,8 polegadas, e o modelo maior, o Galaxy S8 Plus, com display de 6,2 polegadas.

A diferença entre eles é mínima: 6,3 polegadas contra 6,2 polegadas. No restante ficha técnica, as únicas mudanças realmente notáveis são a dual camera e a memória RAM. Para o primeiro quesito, esta análise deixa claro que ter a câmera dupla ainda não é um diferencial astronômico, tendo em vista a dificuldade de produzir fotografias convincentes com o foco dinâmico. Para a questão da memória RAM, convém lembrar que a Samsung anunciou uma edição turbinada do Galaxy S8 Plus com 6 GB de RAM.

Não me entenda mal: o Galaxy Note 8 faz bonito. O “problema” é que o Galaxy S8 também faz, e por um valor menor.

Ficha técnica – Samsung Galaxy Note 8

Especificações    Galaxy Note 8
 Data de lançamento  Outubro/2017
 Preço de lançamento  R$ 4.399 (64 GB) e R$ 4.799 (128 GB)
 Preço atual  R$ 4.399 (64 GB) e R$ 4.799 (128 GB)
 Tamanho da tela  6,3 polegadas
 Resolução da tela  2960 x 1440 pixels
 Processador  Octa-core de até 2,35 GHz
 Memória RAM  6 GB
 Armazenamento  64 GB ou 128 GB
 MicroSD  Sim – até 256 GB
 Sistema operacional  Android 7.1.1 Nougat
 Bateria  3.300 mAh
 Câmera traseira  Dupla de 12 MP
 Câmera frontal  8 MP
 Dimensões e peso  162,5 x 74,8 x 8,6; 195g
 Cores  Preto

Qual é o melhor celular top de linha à venda no Brasil? Opine no Fórum do TechTudo.

saiba mais

Techtudo

COMPARTILHAR