Portos paraenses movimentam 3 bi

Dados do setor portuário estão consolidados no 4º Anuário dos Operadores Portuários do Estado do Pará 2016/2017

730x250

No acumulado dos últimos quatro anos, os portos públicos paraenses movimentaram 3 bilhões de reais de cargas, mais de R$ 670 milhões de reais somente no ano de 2016.  Mesmo num ano difícil em diversos segmentos da economia, o que impactou diretamente na diminuição do volume de importação exportação, os portos de Vila do Conde, Miramar, Santarém, Belém e Outeiro movimentaram mais de 19 milhões de toneladas de produtos, principalmente de alumínio, animais vivos, caulim e produtos químicos inorgânicos.

Os dados foram compilados pelo Sindicato dos Operadores Portuários (Sindopar) e estão no 4º  Anuário dos Operadores Portuários do Estado do Pará, lançado  em uma noite de festa na Fábrica 242. Desta vez, a publicação que já se tornou uma tradição no meio empresarial trouxe os dados da movimentação de cargas no ano passado e dos últimos quatro anos ao lado de reflexões feitas por especialistas, autoridades e acadêmicos.

“Entre tantas opiniões, pode-se dizer que os entrevistados são unânimes em relação ao talento do Pará para o transporte de cargas hidroviário e de sermos uma solução logística para o país”, afirma Alexandre Carvalho, presidente do Sindopar.

De acordo com Carvalho, a publicação contribui para atrair investimentos e mostrar a importância das atividades portuárias na economia paraense. “Nós nos esforçamos para trazer informações que deixam mais transparente o trabalho realizado nos portos, que geram riquezas e rendas no Pará. Mas muito ainda tem que ser feito. Acreditamos que o Pará pode se tornar o principal corredor logístico do país, mas para isso é necessário muito trabalho e esforço, e a sociedade tem papel fundamental nesse processo, pois é dela que será o principal legado dessa conquista”, disse o presidente da entidade.

Assuntos como o desenvolvimento do Arco Norte, a importância da implementação de obras de infraestrutura e à segurança na navegação permeiam a literatura. O livro bilíngue também apresenta  gráficos e tabelas com informações privilegiadas da movimentação de cargas nos portos paraenses, que muito interessa a empresários e investidores que pretendem tornar o Pará o seu corredor para cabotagem e exportação para os principais mercados consumidores do planeta.

Lançamento

A festa de lançamento também prestou homenagens a diversas personalidades que atuam no setor portuário do Pará e do país. A honra do mérito portuário foi entregue a 26 personalidades e autoridades escolhidas em Assembleia Geral Extraordinária em reconhecimento àqueles que de alguma forma contribuíram para o desenvolvimento da navegação, abrangendo também o transporte de passageiros.

Dentre os presentes , Flávio Acatauassu, diretor técnico do Movimento Pró-Logística do Pará (MPL-PA) , e seu pai, Carlos Acatauassu, empresário de longa carreira no setor portuário, inclusive já tendo sido presidente da Companhia Docas do Pará nos anos 1990. Flávio considera o anuário como guia fundamental para quem quiser entrar no ramo. “Tem tudo que facilita a quem pensa em entrar no setor logístico, de navegação e atividade portuária, já que possui informações precisas, mostra onde investir e como investir, além de matérias e editoriais que nos mantém sempre atualizados”, afirma.

Seu pai, por sua vez, foi uma das 26 personalidades que receberam o troféu de mérito, por ter desenvolvido trabalho há décadas que hoje impacta diretamente na movimentação da área. “Em  1995, fizemos negociações que permitiram que o Porto de Vila do Conde poderia ser a oportunidade de expansão do Pará. Hoje, é de carga geral, contêiner e todo tipo de mercadoria, diferente das limitações da época”, lembra. Para o presidente da Fenop, Sérgio Aquino, ser um dos homenageados da noite foi uma surpresa. “Vivemos um momento muito importante, com a ampliação das atividades portuárias e a flexibilização dos terminais, e a expectativa para 2017 é que o setor possa reagir junto à economia nacional”, destaca.

Além desses, o Sindopar entregou placas a seis homenageados considerados especiais agraciados pelas contribuições e apoio ao setor, incluindo autoridades do legislativo e executivo, como ministros os ministros Helder Barbalho, Ministro da Integração Nacional e Maurício Quintella, Ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil. A principal comenda, o Troféu Zezinho Canto foi entregue ao atual Diretor Geral da ANTAQ, a Adalberto Tokarski, pelo trabalho que vem sendo exercendo na agência reguladora a qual o sindicato mais se reporta.

Para o setor, o lançamento também significou a comemoração pela boa expectativa para a movimentação de cargas no Pará neste ano. “As perspectivas para 2017 são boas, em determinados aspectos muito boas, digo isto principalmente em termos de capacitação, já que estamos em pleno vapor e andando muito bem e rapidamente com o processo do SENAP que será o Serviço Nacional de Aprendizado Portuário, no mesmo molde do SENAC e do SENAI”, antecipa sobre a iniciativa que será desenvolvida pela Federação dos Operadores Portuários (FENOP).

SINDOPAR

O Sindicato dos Operadores Portuários do Pará foi fundado em 1993 por força da Lei 8.630 do mesmo ano, com o objetivo de defender os interesses dos Operadores Portuários do Estado do Pará. De lá para cá, o sindicato conquistou mudanças históricas, impondo a importância das operações portuárias como solução logística no Estado e no país.

Desde 2013, o sindicato investe no Anuário como ferramenta de comunicação com a sociedade. A intenção era desde sempre proporcionar uma literatura acessível não só para o setor, mas também  para a sociedade em geral. “Nele dispomos a estatística do setor, número a número, mostrando o tipo de carga que movimentamos, os volumes dos últimos anos, entre outras diversas informações importantes”, declara Alexandre Carvalho.

Homenageados              

Alexandre Araújo – Presidente da ASPLAM e Diretor Executivo do MPL-Pará Movimento Pró-Logistíca Pará; Antonio Carlos Sepulveda – CEO Santos Brasil; Representado pelo Sr. Ricardo Molitzas – Diretor Executivo de Operações da Santos Brasil;  Antonio Marcos Campos Lima – Auditor Fiscal da Receita Federal – Inspetor da Alfândega do Porto de Belém; Carlos Acatauassu – Engenheiro Civil & Ex presidente da CDP, Ex Presidente da CPH e Ex presidente ARCON; Carlos Frisoli – Conselheiro FENOP; Dilermando Dantas Jr – Diretor do grupamento fluvial; Erick Moura de Medeiros – Diretor de Infraestrutura Aquiviária do DNIT; Fabio Lucio Costa – Presidente da ACP e da FACIAPA;  Fernando Fialho – Ex Diretor Geral da ANTAQ, Diretor Presidente da Modal Consult; Hilton Celson Benigno de Souza – Coronel da Policia Militar e Subsecretário de Segurança Publica do Estado do Pará; Representado pelo Coronel Reginaldo Pinheiro; João Emmanuel Poggi De Lemos Neto – Consultor Sindop – PE; Linésio Gomes Barbosa Junior – Presidente da Cooperativa de Práticos UNIPILOT; Marcos Antônio Lins Siqueira – Presidente SINDOP PE; Miguel Fortunato Gomes dos Santos Junior – Coordenador Geral da Administração Hidroviária da Amazônia Oriental – AHIMOR; Miguel de Jesus Salgado – Praticagem da Barra do Pará; Plinio Brayner Plinio Neto – Capitão de Mar e Guerra – Ex comandante da Sinalização Náutica; Representado por João Bittencourt; Querginaldo Alves de Camargo – Diretor Executivo OGMO Santos; Ramiro Fernandes Nazaré – Economista, Professor e Escritor; Roberto Teller – Presidente da SOPESP; Ronaldo Lopez Garcia – Consultor SINDOP/PR; Silvio Lobato – Gestor Executivo do OGMO Belém/Vila do Conde & Presidente do Grupo S Lobato; Silvio Guilherme Lopes Portugal – Técnico Administrativo do Porto de Vila do Conde – CDP; Watson Valamiel – Presidente SINDOPE. ES.

 

COMPARTILHAR