Polícia Civil apura casos de crimes praticados por falso Uber em Belém

A Polícia Civil já levantou oito casos de vítimas do falso motorista do aplicativo de transportes Uber, preso ontem (20) por policiais civis da Divisão Especializada no Atendimento à Mulher (Deam), em Belém. Magno Cristóvão de Assunção Guerra, 47 anos, foi preso com mandado de prisão preventiva após ter sido reconhecido por duas vítimas que registraram boletim de ocorrência na sede do Pro Paz Mulher. Nesta terça-feira, 21, mais seis casos registrados em outras Delegacias foram levantados pela delegada Janice Aguiar, titular da Deam. Desses seis casos, dois estão registrados na Seccional do Comércio, outros dois na Delegacia do Benguí e mais dois na Seccional da Sacramenta. Em todos os casos, as mesmas características da prática criminosa.  O motorista se oferecia para fazer a corrida a mulheres que saíam de festas, shoppings centers e casas de show, identificando-se como motorista de Uber e oferecendo um preço bem em conta pela corrida, até convencer as vítimas a entrar no carro. O acusado sempre usava um carro novo para chamar a atenção das pessoas. Durante a corrida, inicialmente, o motorista fazia o percurso normal, mas, em determinado ponto, ele anunciava o assalto, dizendo que estava armado, mas não chegava a mostrar às vítimas em momento algum o armamento.  No tempo em que ficava no carro, as vítimas eram molestadas e algumas até relatam que foram obrigadas a tirar a roupa. Em um dos casos, a vítima conta que ficou por cerca de 30 minutos sob o domínio do criminoso e foi obrigada a fazer atos sexuais, além disso, teve objetos de valor, como celular e bolsa, roubados. Logo após isso, o criminoso mandava as vítimas descerem do carro em um ponto da cidade.  Os dois casos registrados na Delegacia da Mulher ocorreram em dias diferentes na semana passada. Um no dia 14 e outro no último domingo, 19, com vítimas que haviam saído de locais de shows em Belém. Outro registro foi de uma vítima que saia de um shopping center e foi abordada por um motorista que se identificou como condutor de Uber. “Vamos chamar todas essas vítimas para fazer o reconhecimento do acusado”, explica a delegada. As vítimas já atendidas pela Deam também estão sendo atendidas no setor social do Pro Paz Mulher.  Magno Guerra foi preso em casa, no bairro do Parque Verde, em Belém, com mandado de prisão decretado pela Justiça. Ele é casado e tem dois filhos. No momento da prisão, a esposa do acusado se disse surpresa com as acusações. No veículo que foi apreendido, alguns objetos de possíveis vítimas foram encontrados. Também foi encontrado um crachá falso em que ele se identificava como repórter de um portal de notícias de Belém.  Segundo a delegada, o preso tentou se cadastrar no aplicativo Uber, em agosto deste ano, mas o cadastro foi reprovado. As investigações sobre a prática criminosa continuam. A delegada reforça que outras vítimas de crimes semelhantes podem procurar a Deam, localizada no Pro Paz Mulher, na Travessa Mauriti, 2.394, entre Avenida Rômulo Maiorana e Avenida Duque de Caxias, no bairro do Marco. 
Agência Pará de Notícias

COMPARTILHAR