Paraense é destaque em dez universidades americanas

Vinícius Garcia ainda aguarda mais duas aprovações

730x250

O paraense Vinícius Xavier Garcia, de 19 anos, foi aprovado em dez prestigiadas universidades dos Estados Unidos: Stanford, Yale, Duke, Brown, Amherst College, Wesleyan, Minerva KGI, Middlebury College, Carleton College e Colby College. Ele ainda aguarda os resultados de Harvard e Dartmouth. Vinícius, que vive no Rio de Janeiro desde os dois anos de idade, teve o apoio da Fundação Estudar, que oferece um programa de preparação gratuito com foco em jovens de ensino médio que desejam cursar a graduação no exterior.

Vinícius não tem nenhuma receita para o sucesso. Ele se considera apenas uma pessoa interessada em aprender. Nunca se matou de estudar em casa, mas sempre prestou muita atenção nas aulas. Tem vários amigos, com quem vai ao shopping ou à praia. Faz natação, gosta de ir ao cinema e de ver filmes em casa. Enfim, é um jovem normal, com vida social ativa, mas também com uma coleção de medalhas em olimpíadas de ciências como química, astronomia e matemática.

Vinicius é filho de uma assistente social e servidora pública que não tem condições financeiras de bancar uma educação internacional. A anuidade da Universidade Stanford, na Califórnia, por exemplo, gira em torno de US$ 74 mil (cerca de R$ 250 mil). Para estudar lá, só mesmo com bolsa. A instituição, por onde já passaram políticos, empresários, cientistas e artistas de renome, ofereceu a Vinícius um abatimento de 97%, aí incluindo despesas com alimentação e moradia.

“Li muito sobre as universidades pela internet, mas preciso conhecer todas de perto antes de me decidir. Para fazer essa viagem de reconhecimento, estou recebendo ajuda das próprias universidades e de pessoas próximas, como familiares e amigos, que acompanham minha história”, disse Vinicius.

No colégio

Vinícius teve uma trajetória considerada exemplar no Colégio Pedro II, no bairro do Engenho Novo, Zona Norte do Rio, onde ele cresceu. Foi representante de turma, atuou no grêmio estudantil e participou de projetos como um modelo de simulação da Organização das Nações Unidas (ONU) em sua escola. O aluno também ajudou a implementar no colégio um fórum de discussão voltado para a temática de raça e etnia na educação e na sociedade. Além disso, trabalhou como tutor de física, química e matemática.

Depois ganhou a forma de um projeto científico e, também, o apoio de alunos de Harvard através do programa Brasilitas. Foi premiado em algumas olimpíadas científicas de Matemática, Química e Astronomia, dentre outras. Como hobbies, se dedica à música e à natação há muito tempo. “Sou bom aluno, mas as universidades americanas não estão interessadas apenas em notas boas. Eles querem alunos atuantes, que participam de diferentes projetos. As pessoas acham que para entrar nessas instituições é preciso ser um gênio, mas não funciona assim”, garante Vinícius, que está cursando Matemática Aplicada na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde se matriculou antes de ter as respostas das instituições americanas. “O que me atrai nas faculdades dos EUA é a possibilidade de passar os primeiros semestres conhecendo diferentes cursos, antes de optar por um deles”, contou.

Famosa universidade de Harvard é o próximo desafio do jovem estudante
Famosa universidade de Harvard é o próximo desafio do jovem estudante

 

Estudo no exterior

Vinícius decidiu estudar no exterior devido à flexibilidade do currículo das universidades americanas. “Enquanto no Brasil é preciso que um adolescente tenha certeza daquilo que quer estudar antes de entrar nas universidades, nos Estados Unidos é possível que você passe seus primeiros semestres experimentando um pouco de cada área antes de tomar essa decisão, podendo até se formar em dois cursos diferentes nos quatro anos de graduação”, explica o jovem. “Como na escola sempre gostei de tudo e não conseguia decidir definitivamente minha faculdade, cheguei à conclusão de que essa era a melhor opção para minha educação.”

Criada há 25 anos por Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Beto Sicupira, a Fundação Estudar é uma organização sem fins lucrativos que acredita que o Brasil será um país melhor se houver mais jovens determinados a seguir uma trajetória de impacto. Tem como objetivo alavancar a carreira de universitários e recém-formados por meio da troca de conhecimento, formação de redes e conexão com o mercado de trabalho.

Fotos:  Acervo Pessoal, Divulgação

COMPARTILHAR