Os 12 suspeitos: quem é quem no 'quadrilhão do PMDB' apontado pela PF

Ao concluir investigação sobre a suposta organização criminosa formada por integrantes do grupo político conhecido como PMDB da Câmara, a Polícia Federal colocou Michel Temer no centro de dois organogramas no quais orbitam auxiliares diretos, ex-assessores que já foram presos e aliados de longa data do presidente.

Além de Temer, apontado no relatório como alguém que tinha poder de decisão nas ações do grupo, a PF identificou outras 11 pessoas que seriam parte do que agora está sendo chamado de “quadrilhão do PMDB”.

O aumentativo “quadrilhão” é uma alusão ao tamanho e ao poder dos integrantes do grupo suspeito de, entre outros crimes, organização criminosa – quando quatro ou mais pessoas se associam para o fim específico de cometer infrações penais cujas penas máximas superem os quatro anos.

  • Direita ou esquerda? Análise de votações indica posição de partidos brasileiros no espectro ideológico
  • ‘Democracia animal’: cachorros selvagens africanos espirram para ‘votar’ em decisões coletivas

Os investigadores dividiram os integrantes do grupo entre primeiro e segundo escalões.

“Importante frisar, antes, que tais nomes não apareceram de forma aleatória. Na verdade, diversos réus e investigados colaboradores indicam fatos relacionados aos integrantes da organização, informações obtidas justamente por fazerem parte, cada um ao seu modo, das engrenagens que mantém em funcionamento o esquema criminoso, mas integrando os seus devidos lugares nos núcleos administrativo, financeiro e empresarial”, diz o relatório da PF.

São seis os apontados como integrantes do grupo político/gerencial e, nas palavras da polícia, “há outros indivíduos com participação não tão destacada, ou hierarquicamente menos relevante no grupo do ‘PMDB da Câmara'”. Esse segundo grupo, continua a PF, atua como “longa manus”, “orbitando e executando as decisões tomadas pelo 1º escalão.”

O relatório da Polícia Federal foi encaminhado ao Supremo Tribunal Federal (STF) e deve servir de base para o procurador-geral Rodrigo Janot oferecer provável nova denúncia contra Temer.

O presidente e principais auxiliares rechaçaram todas as suspeitas levantadas pelos investigadores. Temer disse que nunca “participou nem participa de quadrilha” – em nota divulgada nesta terça pela Presidência, afirma que “facínoras roubam do país a verdade” e que “bandidos constroem versões” em busca de imunidade ou perdão de crimes.

Confira quem é quem no primeiro e segundo escalão da organização apontada pela PF, e o que dizem os suspeitos. A BBC Brasil não conseguiu contato com os representantes legais dos citados que estão presos e com alguns dos outros suspeitos.

Michel Temer, presidente do Brasil

Além de destacar “a extensa carreira política” do presidente, a PF afirma que Temer tinha “poder de decisão nas ações do grupo do PMDB da Câmara” para indicar cargos estratégicos e articular com empresários beneficiados nos supostos esquemas ilícitos.

“E, como em toda organização criminosa, com divisão de tarefas, o presidente Michel Temer se utiliza de terceiros para executar ações sob seu controle e gerenciamento”, escreveu a PF.

São atribuídos a Temer os crimes de corrupção passiva, embaraço de investigação de infração penal praticada por organização criminosa, caixa 2 eleitoral e lavagem de dinheiro. Segundo os investigadores, ele teria recebido mais de R$ 30 milhões de “vantagem”.

A PF afirma que foram usados como evidências as delações do operador Lúcio Funaro e da JBS, a análise do celular do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, e investigações como a que monitorou o ex-assessor de Temer, Rodrigo Rocha Loures, que recebeu uma mala com R$ 500 mil da multinacional brasileira.

Em nota divulgada pela Presidência da República, Temer nega as acusações, classificando-as de “insinuações descabidas”.

“O presidente tampouco fez parte de qualquer ‘estrutura com o objetivo de obter, direta ou indiretamente, vantagens indevidas em órgãos da administração pública'”, diz o texto.

Ao comentar a divulgação do relatório, a nota afirma que Temer “lamenta que insinuações descabidas, com intuito de tentar denegrir a honra e a imagem pública, sejam vazadas à imprensa antes da devida apreciação pela Justiça”.

Moreira Franco, ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência

Ex-deputado federal, o ministro ocupou a Decretaria de Aviação Civil no governo Dilma Rousseff entre 2013 e 2014. Foi nomeado por Temer como secretário do Programa de Parcerias de Investimentos, cargo no qual esteve entre maio de 2016 e fevereiro de 2017, quando foi promovido a ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência e passou a desfrutar de foro privilegiado.

De acordo com o relatório da PF, “há indícios de ter sido beneficiário” de um pagamento de R$ 5 milhões feito por uma construtora e que teria sido destinado a Temer. Suspeita-se que esse valor tenha sido contabilizado como caixa 2 eleitoral e refira-se a uma contrapartida dos interesses da empreiteira OAS na concessão de aeroportos, “conforme consta em relatório de análise das mensagens encontradas no celular de Eduardo Cunha”.

Moreira Franco também é suspeito de ter solicitado contribuições eleitorais para o PMDB e de ter sido beneficiado com pagamentos de esquemas de propina da Caixa Econômica Federal.

O ministro nega todas as acusações e afirmou repudiar a suspeita. “Jamais participei de qualquer grupo para a prática do ilícito”, disse ele, que acrescentou que vai responder “de forma conclusiva quando tiver acesso ao relatório do inquérito”.

Henrique Eduardo Alves, ex-presidente da Câmara e ex-ministro do Turismo

Foi o deputado federal com maior tempo no cargo, tendo permanecido na Câmara por 44 anos, de 1971 a 2015, quando assumiu o Ministério do Turismo ainda no governo Dilma Rousseff.

Alves voltou a ocupar a mesma pasta na gestão Temer, mas acabou perdendo o cargo em junho de 2016, depois de ter o nome citado pelo ex-senador e ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado como beneficiário de R$ 1,55 milhão em propina entre 2008 e 2014.

“Devido à sua trajetória e influência no PMDB na Câmara, por vezes dividia com Eduardo Cunha a indicação de postos importantes pleiteados pelo grupo”, destaca o relatório da Polícia Federal, que aponta Alves como “figura de destaque no núcleo político investigado”.

O ex-ministro foi presidente da Câmara entre fevereiro de 2013 e a fevereiro de 2015.

Ele ainda é suspeito de ser beneficiário de uma offshore sediada em Cingapura, que operava, por meio de transações ilícitas, recursos que teriam sido desviados da Caixa. A PF lista valores que se aproximam dos R$ 30 milhões como “vantagem” atribuída ao ex-deputado e usa como evidências depoimentos de três colaboradores.

Alves, que está preso desde junho de 2017, é também alvo de uma operação que investiga corrupção ativa, passiva e lavagem de dinheiro na construção da Arena das Dunas, estádio construído no Rio Grande do Norte para a Copa de 2014, realizada pela OAS.

Geddel Vieira Lima, ex-ministro

Geddel foi deputado federal por cinco mandatos, líder do PMDB em várias ocasiões e, segundo a PF, atuava em “perfeita sintonia com Eduardo Cunha”.

O relatório afirma que ele “transita entre os núcleos político e administrativo do grupo investigado, tendo sido peça fundamental na organização criminosa no período em que foi vice-presidente na Caixa”, cargo que ocupou entre março de 2011 e dezembro de 2013.

No governo Temer, Geddel foi nomeado ministro da Secretaria de Governo e tinha como atribuição, nas palavras da polícia, “coordenar o relacionamento do Executivo com o Congresso”. Perdeu o cargo depois de pressionar o então ministro da Cultura a liberar uma obra de seu interesse em uma área protegida de Salvador.

Geddel foi preso pela segunda vez na semana passada. A polícia encontrou as digitais do ex-ministro em notas guardadas em malas e caixas de dinheiro que, somadas, ultrapassavam os R$ 51 milhões e estavam guardadas num apartamento que estaria sendo usado por ele.

Ele é suspeito de corrupção passiva e de ter cometido fraudes para liberar recursos para diferentes empresas no período que esteve na Caixa.

Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara

Deputado federal desde 2003, foi presidente da Câmara entre fevereiro de 2015 e julho de 2016, tendo renunciado ao comando da Casa depois de ser acusado de ter recebido e administrado de forma ilegal recursos fora do país.

Para a PF, Cunha é “figura central do grupo investigado” e operador “da maior parte dos crimes praticados pela organização criminosa”. No organograma da PF, ele aparece ao lado de Temer.

Além de poder de decisão, escreveram os investigadores no relatório, ele indicava pessoas para cargos estratégicos, cooptava empresários para pagamento de propinas em troca de contratos e liberação de recursos e também apresentava atos legislativos “em benefício de ações criminosas”.

A polícia acredita ainda que Cunha era chefe informal do operador Lúcio Funaro, determinando quem seriam os beneficiários finais dos recursos captados sob a forma de propina pelo grupo. Diz ainda que “praticamente todos os crimes levantados levam a assinatura” do ex-deputado.

Preso desde outubro de 2016, ele já foi condenado a mais de 15 anos de prisão pelo juiz federal Sergio Moro. Planilhas apreendidas com um dos delatores sugerem que ele tenha recebido mais de R$ 130 milhões.

Eliseu Padilha, ministro da Casa Civil

Último integrante do “primeiro escalão” do grupo do PMDB investigado pela PF, o ex-deputado federal foi ministro da Aviação Civil em 2015, ainda no governo Dilma Rousseff, e comanda a Casa Civil desde que Temer chegou ao poder, em maio de 2016.

O nome de Padilha foi citado nas delações assinadas por executivos da Odebrecht como “suspeito de cobrar propinas em nome do PMDB e do presidente Michel Temer para financiar campanhas eleitorais”.

Segundo a PF, baseando-se nas delações da Odebrecht e do operador Lúcio Funaro, o ministro teria recebido R$ 4 milhões em dois pagamentos. Contra ele pesa a suspeita de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e caixa 2.

Padilha afirmou que só irá se pronunciar “quando e se houver acusação formal contra ele que mereça resposta”.

Rodrigo Rocha Loures, ex-assessor de Temer

Listado como o primeiro integrante do “segundo escalão” da organização criminosa, Rocha Loures foi assessor de Temer quando ele ainda ocupava a Vice-Presidência e é suspeito de atuar como preposto do presidente.

Foi filmado após receber de um executivo do grupo J&F – controlador da JBS -, dos irmãos Joesley e Wesley Batista, uma mala com R$ 500 mil em São Paulo.

Foi preso em junho e colocado em prisão domiciliar. No primeiro interrogatório à Polícia Federal, Rocha Loures preferiu ficar em silêncio.

Tadeu Filippelli, ex-assessor de Temer

Ex-presidente do PMDB no Distrito Federal e ex-vice-governador, Filippelli teve o nome listado no organograma, mas seu papel não foi detalhado pela PF.

No relatório, os investigadores afirmam ser possível que vários assessores de Temer “tenham se envolvido em diversas ações suspeitas, possíveis crimes”.

“Nessa condição aparece Tadeu Filippelli, figura conhecida do PMDB/DF”, escreve a PF, assinalando que o peemedebista foi exonerado do cargo de assessor especial da Presidência em maio, após ser preso pela Polícia Federal, na Operação Panatenaico – que apura suposto esquema de corrupção e suspeita de superfaturamento na construção do Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília. A prisão revogada no final de maio.

Sandro Mabel, ex-assessor de Temer

Ex-deputado federal, Mabel também foi assessor especial do presidente.

Segundo a PF, seria uma pessoa de “confiança de Eduardo Cunha para propor emendas e medidas provisórias”. Há suspeitas de que ele tenha beneficiado uma construtora e recebido pagamentos indevidos.

Antonio Andrade, vice-governador de Minas Gerais

Atual vice-governador de Minas, foi ministro da Agricultura no governo Dilma Rousseff, cargo que ocupou, segundo a PF, por indicação direta de Temer.

Andrade também comandou a bancada do PMDB mineiro na Câmara quando atuava como deputado federal.

Para a PF, ele tem “posição de destaque nos fatos investigados”. É suspeito de ter participado da edição de atos no Ministério da Agricultura para favorecer a JBS que, em troca, teria pago R$ 7 milhões a integrantes do grupo do PMDB investigado pela PF.

José Yunes, ex-assessor de Temer

A PF diz não ter identificado atividade partidária do suspeito, mas o identifica como amigo de longa data de Temer, que o nomeou como assessor especial.

Nas palavras dos investigadores, Yunes “foi arrastado pelo maremoto provocado pelas delações da Odebrecht”. O escritório dele foi um dos endereços indicados para a entrega de R$ 10 milhões que a empreiteira diz ter dado ao PMDB.

Depois de ter o nome citado, ele foi exonerado do cargo no governo.

Lúcio Vieira Lima, deputado federal

Irmão de Geddel, Vieira Lima é suspeito de atuar no Congresso para favorecer interesses de grandes construtoras em troca de doações de campanha.

BBC Brasil – Primeira página

COMPARTILHAR