GESCOOP ampliou visão de mercado da CART

Por: paracooperativo.coop.br

 

Antes de prospectar e se apresentar a novos mercados, as cooperativas devem prioritariamente conhecer o próprio negócio, ter noções gerais de produtividade e outros fatores de cenário econômico interno e externo. São estes os elementos trabalhados pelo Programa de Aprimoramento da Gestão Cooperativista (GESCOOP), ferramenta elaborada pelo Sistema OCB/PA com o objetivo de potencializar as singulares paraenses. A Cooperativa dos Agricultores da Região de Tailândia (CART) foi a primeira a receber o Programa no Pará, que já apresenta resultados importantes na reorganização produtiva e amadurecimento da gestão.

 

O programa reorganizou questões do processo administrativo, fluxo de caixa, organização de estoque, levantamento das produtividades efetiva e demandada para comercialização, assim como perspectivas de mercado efetivo e latente que pode ser alcançado. Identificou-se que a cooperativa possuía determinada capacidade produtiva e que, se planejasse prospectar novos negócios, deveria ampliar a produção, comprando mais castanha do produtor. Para sanar as dificuldades na aquisição desse insumo, a diretoria sensibilizou o agricultor sobre os benefícios de se associar à CART, trazendo-os para dentro da cooperativa.

 

“O GESCOOP nos permitiu ter a visão do que éramos, onde estávamos, aonde queríamos chegar e como faríamos isso. Tivemos as ferramentas necessárias para caminharmos passo a passo, alcançando objetivos propostos pelos próprios cooperados. O diagnóstico produzido foi muito verdadeiro, impulsionando-nos a buscar melhorias necessárias para o crescimento da cooperativa”, afirmou a Gerente Geral da CART, Jeane Carvalho.

 

O carro chefe da cooperativa é a castanha de caju. A capacidade produtiva é de até 250 toneladas por ano. Atualmente, são beneficiados 130 toneladas da castanha em casca. Na forma bruta, rende até 52 toneladas. O fator impeditivo para o beneficiamento integral da capacidade é a falta de capital de giro, outra necessidade verificada através do GESCOOP.

 

De acordo com a gerente, cerca de 75% dos apontamentos de melhoria levantados pelo diagnóstico já foram atendidos, como a questão estrutural da fábrica modificada de acordo com as necessidades de produção. As principais demandas no momento são a busca por parceiros que proporcionem acesso ao crédito para capital de giro, aumentando o fluxo da castanha; a revitalização da identidade visual com a elaboração de logo definitiva e novas embalagens; Diferimento fiscal junto ao Governo do Estado.

 

“Estamos trabalhando juntamente à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Energia e Mineração (Sedeme) para discutir a possibilidade de diferimento do ICMS da Castanha de Caju. Atualmente, o ICMS incidente no produto é de 17%. A proposta é que esse valor seja equiparado à tributação da castanha do Pará, que é de 2,78%. Com a ação, esperamos um maior potencial de capital de giro para a CART organizar suas compras e fazer um estoque maior para atender os clientes”, explicou o presidente do Sistema OCB/PA, Ernandes Raiol.

 

COMPARTILHAR