Belém ganha feira literária infantojuvenil incentivada pela Secretária Especial da Cultura

0
231

A Amazônia é uma mina de lendas que brotam da diversidade de culturas, como a da água, do índio, do caboclo e das florestas. São histórias sustentadas por gerações naquelas tradicionais rodas de conversas familiares montadas à porta de casa. Há séculos alimentam um imaginário potente. Aliás, é quase improvável estar em Belém e não ouvir as fábulas de encantamento do Boto, da Iara, da Vitória Régia e até da misteriosa Moça do Táxi que, mesmo depois de “morta”, adorava passear de carro pela madrugada da capital paraense.

É a partir desse universo mágico que nasce a primeira edição da Feira Literária Infantojuvenil do Belém (Flib), com programação intensa entre os dias 29 a 31 de março, na tradicional Livraria da Fox, que também promove, desde 2014, a Feira de Livros do Pará (Flipa). “Desde que surgiu a Flipa, acalentamos uma feira só voltada ao público infantojuvenil. Mesmo num mercado editorial em crise, ela surge graças ao incentivo do Edital de Feiras do Livro (lançado pela Secretaria Especial da Cultura em 2018)”, observa Deborah Miranda, sócia da Livraria da Fox e uma das curadoras da Flib.

R$ 3 milhões para feiras

A Flib é uma das atividades literárias selecionadas por meio do Edital de Feiras do Livro 2018, que aportou quase R$ 3 milhões em 16 feiras, jornadas, bienais e outros eventos literários em 11 unidades da federação: Distrito Federal, Goiás, Minas Gerais, Pará, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo e em Santa Catarina.

Coordenadora-Geral de Leitura, Literatura e Economia do Livro do Departamento de Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas (DLLLB), Ana Cristina Araruna explica que é função estratégica da Secretaria Especial da Cultura promover a literatura brasileira e fomentar processos de criação, difusão, circulação e intercâmbio literário no país. “Nesse sentido, torna-se essencial o apoio às feiras e eventos literários para incentivar o hábito da leitura entre crianças, jovens e adultos brasileiros, possibilitando a aproximação entre o público, autores e literatura”, destaca.

Magia do livro

Com o tema Encantamentos, assombrações e visagens que contam histórias, a Flib traz ao centro da discussão a necessidade de retomar a tradicional contação de histórias como forma lúdica de aproximar o livro do futuro leitor. “Sou mãe de três filhos e os criei na rede, contando histórias e estimulando a imaginação de cada um. Hoje, entendo que é responsabilidade de uma livraria promover a leitura de um livro para uma criança para, juntos, entrarmos nesse universo mágico”, aposta Deborah Miranda, sócia da Livraria Fox, que abriga a Flib.

A partir desse universo fantástico, a Flib aposta na magia do livro físico para movimentar os pequenos leitores de Belém em torno do mercado livreiro nacional. Com oficinas, bate-papos, rodas de contação, shows e sessão de autógrafos, a feira dedica-se completamente a fomentar a literatura infantil dentro de uma livraria que se vocaciona a ser uma extensão da casa do leitor. “Aqui é um espaço de encontros e queremos mostrar ao jovem leitor o quão é maravilhoso ter esse universo do livro nas mãos”, aponta Deborah.

Criadores de sonhos

“As literaturas infantil e juvenil são dois gêneros fundamentais para construir uma identidade, uma ideia de pertencimento, exatamente por serem orientadas para crianças no momento de formação das suas fantasias”, destaca Daniel Munduruku. Essa potência encantadora do livro pode ser percebida pelo rol de criadores homenageados nesta primeira edição. São eles: o jornalista e escritor Walcyr Monteiro (PA), autor do best-seller amazônico Visagens e Assombrações de Belém; o professor e escritor Daniel Munduruku (PA), que resgata lendas de sua etnia indígena, a contadora de histórias Lenice Gomes (PE), pesquisadora da cultura popular nordestina, e o quadrinista Gildati Júnior (PA), autor dos quadrinhos Castanha do Pará, produzidos e publicados de forma independente. “As literaturas infantil e juvenil são dois gêneros fundamentais para construir uma identidade, uma ideia de pertencimento, exatamente por serem orientadas para crianças no momento de formação das suas fantasias”, destaca Daniel Munduruku.

Em comum, eles trazem o lúdico e o fantástico como motes narrativos. “Além de ser uma feira para público infantojuvenil, há um tempero especial que é a questão das nossas lendas e da imaginação. Nada melhor do que falar para esse público juvenil e infantil sobre literatura e arte e trazer as diferenças locais, dentro de autores homenageados que têm um foco voltado para criatividade, imaginação e para o lúdico”, comemora Gildati Júnior.

SERVIÇO

O quê:
Feira Infantojuvenil de Belém (Flib)

Onde:
Livraria da Fox (principais atividades). Tv. Dr. Moraes, 584 – Nazaré, Belém – PA, Telefone: (91) 4008-0007

Quando:
De 29 a 31 de março

Entrada franca

Programação

Sexta, 29

9h às 10h – abertura

  • Boas-vindas aos homenageados
  • Performance Teatral: Grupo LiterArt (com os personagens Dona Carochinha, Menino Maluquinho, Matinta Perera e Curupira)

10h às 11h30

  • Roda de conversa com os homenageados e sessão de autógrafos
  • Mediação: Salomão Larêdo, Edyr Augusto e Elizabeth Orofino

13h30 às 15h30

  • Oficina de Iniciação ao Desenho Grupo Argonautas, representado por Mário Zani

16h às 16h30

  • Espetáculo Teatral: O Jardim de Alice Projeto Camapu

17h às 18h

  • Sarau Palavra de Poetinha Movimento de Contadores de Histórias da Amazônia

18h30 às 20h

  • As Encantarias pedem Passagem Bate-papo com: Bel Fares, Juraci Siqueira e Carlos Aldemir Mediação: Paes Loureiro

Sábado, 30

9h às 10h30

  • Alfabetizar letrando com a Tradição Oral Oficina com: Lenice Gomes e Movimento de Contadores de Histórias da Amazônia

11h às 12h30

  • Oficina Síntese na Aquarela Gidalti Júnior

14h às 15h30

  • Fantasia e Suspense na Literatura Infantojuvenil, com Andrei Simões e Roberta Spindler e mediação de Francisco Neto (Sooda Blog)

17h30 às 19h

  • Bate papo sobre o Universo Geek + GEEK Pará: RPG, Cosplay, Games, HO

18h às 20h30

  • Romaria das Palavras – Cortejo (Livraria da FOX à Fundação Cultural do Pará) – Movimento de Contadores de Histórias da Amazônia e Instituto Ocara.

Domingo, 31

9h às 10h30

  • Farinhada Literária: Conversa com autores paraenses: Andersen Medeiros, Alfredo Garcia, Heliana Barriga, Daniel Leite, Telma Cunha, Paulo Maués, Juraci Siqueira, Rosinaldo Pinheiro, Joécio Carvalho, Alda de Cássia, Miriam Daher, Rita Melem, Nazaré Mello. Mediação: Prof. Dra. Elizabeth Orofino (professora do Laboratório Sertão das Águas- Clube de Leitura Tertúlias do Grão Pará-UFPA/IEMCI)

11h às 12h

  • Show Pirulítero Heliana Barriga

14h30 às 16h

  • Oficina HQ Turma do Açai, representado por Rosinaldo Pinheiro

16h30 às 17h15

  • Show Musical: Cantando e Aprendendo Eudes Fraga

18h às 19h

  • Espetáculo Infantil: Passeando em Outeiro

Assessoria de Comunicação
Secretaria Especial da Cultura
Ministério da Cidadania