226º Círio de Nossa Senhora de Nazaré, em Belém

Uma missa iniciada às 5h30, presidida pelo Arcebispo Metropolitano de Belém, Dom Alberto Taveira, em frente à Catedral de Belém, na Cidade Velha, marcou a abertura do 226º Círio de Nazaré.

Antes de começar a missa campal, muitas pessoas ainda dormiam e/ou estavam acordando no gramado da Praça Frei Caetano Brandão, frente à Catedral, uma vez que está se tornando hábito a permanência dos devotos no local, após o término da Trasladação, ficando a praça tomada de fiéis.

Durante a homilia o arcebispo de Belém, Dom Alberto Taveira, lembrou da relação do paraense com a imagem. “Nascemos sobre a proteção da Virgem Maria, mãe de todos e, no Pará, essa fé é um fio condutor dos católicos”.

Deixando a Catedral Metropolitana, e com a imagem peregrina de Nossa Senhora de Nazaré na Berlinda, a grande procissão iniciou por volta das 7h numa grande demonstração de fé, amor e devoção marcando a 226ª edição do Círio. O percurso estava todo repleto de devotos, de todas as partes do Estado, Brasil e do mundo, desde a Praça Frei Caetano Brandão, Praça do Relógio, Avenida Portugal, Boulevard Castilho França, Avenida Presidente Vargas e Avenida Nazaré até a Praça Santuário.

Da Catedral, o cortejo desce a rua Padre Champagnat e contorna a praça do Relógio, posicionando-se para a primeira homenagem, pouco antes da curva do início do Boulevard Castilho França, os peixeiros e feirantes do Ver-o-Peso homenagearam a Virgem de Nazaré, como já tradicionalmente, com queima e o estrondoso pipocar do foguetório.

Em seguida, às proximidades do convento dos Mercedários, próximo da Tv. Frutuoso Guimarães, houve o atrelamento da corda à berlinda, momentos precisos e emocionantes que mesmo repletos de tensão, encantam os Guardas da Santa e os que o presenciam.

Frente a Estação das Docas, no Galpão 3, o Varanda de Nazaré da cantora Fafá de Belém, repleto de artistas e celebridades, causavam admiração dos romeiros que passavam em romaria. Fafá, com a filha Mariana Belém e a neta Júlia, de seis anos, Arthur Espíndola, Nana Reis e Natália Matos, emocionavam a todos – fiéis e promesseiros, com músicas marianas, homenageando Nossa Senhora e também seus devotos.

Seguindo e durante a caminhada, orações e lágrimas se misturavam ao suor e cansaço de homens e mulheres de todas as idades, raças e credos. Os pedidos e agradecimentos por graças alcançadas vinham, muitas vezes, em forma de sacrifício.   Por toda a caminhada os promesseiros portando miniaturas de casas, objetos de cera, tijolos, fotos, saco com terra (simbolizava terreno adquirido) e todo tipo de ex-votos… em agradecimento e pagamento de graças alcançadas.

As emoções se renovavam em cada passo, em cada esquina, em todas e variadas séries de homenagens à Rainha da Amazônia.

A previsão da Diretoria era encerrar o Círio entre 12h e 12h30. Segundo os diretores, a antecipação da chegada deve-se ao corte da corda (apesar dos apelos gerais), aconteceu mais cedo, (esse ano foi quase em frente a sede do Paissandu) e também ao cancelamento da homenagem dos estivadores, já que o espaço da Praça Pedro Teixeira, antes interditado para os fogos, foi ocupado pelos romeiros, agilizando a morosa subida da avenida Presidente Vargas.

Depois de quase 5 horas de caminhada, a procissão com a imagem peregrina de Nazaré, em sua berlinda dourada e adornada de flores naturais – orquídeas, rosas e cravos, nas cores branca, marrom e cobre, lembravam traços do Barroco clássico, 35 cm mais alta, garantia uma visualização melhor da imagem, em delicada e bela decoração de Paulo Morelli, entrou na Praça Santuário.

A retirada da imagem peregrina da berlinda ocasionou momentos intensos de emoções e êxtase, levando muitos fieis às lágrimas.  Em seguida, por volta das 11h45, Dom Antônio de Assis Ribeiro, Bispo Auxiliar de Belém, eleva a imagem de Nossa Senhora de Nazaré para visualização de seus devotos, enquanto a transporta ao altar da Praça Santuário, onde foi celebrada a missa de encerramento.

Em redoma de vidro, ao lado do altar da  Praça Santuário de Nazaré, a imagem peregrina ficará bem perto dos devotos durante a quinzena nazarena.

A estimativa do número de turistas que estiveram em Belém durante o Círio deste ano foi de 80 mil, um aumento de 2,6% em relação ao número de turistas que estiveram em 2017, quando foram registradas 78,4 mil pessoas, segundo o DIEESE.

A previsão é de que o gasto médio dos turistas seja de aproximadamente 30,4 milhões de dólares. Esse valor representa um crescimento de aproximadamente 3% em relação ao total deixado por eles em 2017.

COMPARTILHAR